Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

História Incorreta do Portugal Contemporâneo

A primeira página do Jornal de Negócios de sexta trouxe-nos finalmente uma boa notícia: «não estamos livres de ter uma crise a sério, como a de 29». O alerta vem do mestre (em ciência política) Henrique Raposo, num momento em que vários economistas e o milhão de portugueses que se manifestou no sábado pensavam que já estávamos «numa crise a sério como a de 29». Aparentemente – economistas e portugueses – precipitaram-se.

Esta reconfortante declaração de Henrique Raposo surge numa entrevista que deu a Anabela Mota Ribeiro a propósito do seu último livro, “História Politicamente Incorreta do Portugal Contemporâneo”. A entrevistadora destaca uma confissão curiosa, vinda de quem diz que passou por todo o sistema público de ensino, aliás com notório aproveitamento: «Tenho 34 anos e ainda não vi o Estado Social». Em contrapartida, graças a esse Estado Social, este jovem historiador consegue ver coisas que mais ninguém vê: Soares era afinal um nacionalista e Salazar, esse sim, foi um europeísta. Raposo está prestes a descobrir que o Partido Socialista foi fundado em Santa Comba, e não em Bad Munstereifel como pretende a mitologia soarista. Escusava só de ter escolhido como representativo das posições atuais do PS um militante muito interessante mas cuja última quota paga deve ser a de Dezembro de 1985: «O Alfredo Barroso disse recentemente que o euro não é muito bom e que se calhar temos de pensar em sair do euro. Podemos, neste caso, dizer: “Estão a voltar às raízes”.»  

Fica ainda assim uma dúvida: em que factos e leituras se apoiam tão extraordinárias teses? Anabela Mota Ribeiro põe o dedo na ferida: «Esses factos são os que constam dos livros de História de Fernando Rosas e Irene Pimentel? A bibliografia que consulta para a elaboração destes textos é sobretudo a de historiadores de direita…» Raposo não se fica: «Ao nível da História económica, [consultei] o Pedro Lains, que é um homem de esquerda, o Bruno Cardoso Reis, que é um homem de esquerda. O que pode dizer é que consultei uma historiografia que é muito mais nova do que [a feita por] esses dois [historiadores] que mencionou». Tendo em consideração que «esses dois» que Anabela mencionou têm historiografia que não é menos «nova», e que Lains e Reis (boas referências) não os substituem com vantagem no assunto aqui em causa (o salazarismo), na melhor das hipóteses o que aconteceu foi que Raposo, em vez da tradicional pesquisa bibliográfica, optou por uma ida à Feira do Livro do ICS.  

A entrevista também chega à atualidade. Só que quando pensa como contribuinte, Raposo esquece os ensinamentos de Max Weber: «aflige-me que os ministros cheguem aos ministérios e não sejam capazes de dizer: “Preciso destas pessoas, destas, destas. Destas, não preciso”». Então, isso não traria o risco do clientelismo, pergunta Anabela Mota Ribeiro? Aparentemente, Raposo nunca ouviu falar da Dra. Ana Manso: «Que clientelismo pode haver nos hospitais?» Mas pronto, tal como todos nós, Henrique Raposo anda amargurado com o destino da pátria. Felizmente, este Alexandre Herculano dos tempos modernos já encontrou a sua Vale de Lobos: «Só há uma salvação: (…) é a agricultura. Eu, mais dia menos dia, vou ser um jovem agricultor.»

7 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    Não é uma resposta, Zé Manel Jara, é uma discussão...

  • Anónimo

    A resposta tardou 1 ano... Ó argumento de autorida...

  • Anónimo

    Posso perceber, lendo no fim o objetivo e destinat...

  • Anónimo

    Pode dar mais detalhes?

  • Paulo Pinto

    por acaso, a expressão do "saber só de experiência...

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media