Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

cansada é pouco: enojada

o uso de capacete é uma obrigação imposta pelo estado aos cidadãos para sua própria segurança, como o uso de cinto de segurança. que a polícia mande parar uma pessoa de moto por não ter capacete faz por isso todo o sentido. que a polícia, perante a fuga dessa pessoa de moto sem capacete, dispare tiros (de aviso, de intimidação, seja lá o que for que sucedeu) é, além de totalmente ilegal -- que risco de vida para os polícias ou outros apresentava aquela pessoa? -- de uma tão total e revoltante estupidez que custa a crer que haja uma estrutura hierárquica que permita que um comunicado ou uma informação oficial seja dada nesses termos.

 

aliás, toda a comunicação da psp, tal como tem sido veiculada pelos media, é um prodígio de estupidez, de contradição e mistificação (para não variar do costume). se os tiros foram para o ar, como sustentam, por que motivo fazem questão de dizer que foram de balas de borracha -- como se, de resto, balas de borracha não matassem e ferissem e, se atingindo alguém de mota, não determinassem decerto um acidente? e se o motivo de mandar parar o rapaz era não ter capacete, por que já falam agora da 'hipótese' de a mota ser roubada (outro clássico das versões policiais: não tarda o rapaz passa a suspeito de assaltar velhinhas e de ter 'um longo cadastro')? e se o mandaram parar por ser perigoso para ele andar sem capacete, por que motivo de repente acharam que a melhor forma de lhe proteger a vida e a integridade física era persegui-lo e disparar tiros 'de intimidação'? e ainda: fariam o que fizeram se em vez de estarem na bela vista estivessem na avenida de roma ou na lapa?

 

não menos extraordinário é que, de acordo com o dn, a pj tenha sido informada pela psp de que 'a situação não requeria a intervenção da pj' -- mas o que é isto? agora uma morte em circunstâncias suspeitas não é investigada pela pj porque a psp, que está envolvida na morte, diz que não é preciso?? mas está mesmo, oficialmente, tudo doido?

 

em março de 2010, a propósito da morte de mc snake, escrevi este post. fui processada pelo sindicato nacional de polícia por alegado abuso da liberdade de expressão e difamação (acho que era isso, mesmo se não cheguei a perceber que parte do post seria considerada difamatória). o mp não acompanhou a acusação, o sindicato (que tem, como todos os sindicatos, isenção de custas) pediu a abertura da instrução e a juíza de instrução mandou arquivar. o sindicato recorreu para o tribunal da relação, onde suponho o processo estará a aguardar decisão. não estou a relatar isto por mais nenhuma razão que para reiterar tudo o que escrevi no post em causa (acho que se o sindicato se sentiu ofendido tem todo o direito de me processar, por mais que me chateie gastar dinheiro em advogado para me defender), e para acrescentar que pequei por brandura. a palavra certa não é cansada. é enojada. e furiosa. e uma boa parte da minha fúria é para a total ausência de interesse que vejo estes casos, que noutros países incendeiam as opiniões públicas, atraírem em portugal. aparentemente, a maioria das pessoas não consegue imaginar que isto possa suceder ao seu filho, ao seu sobrinho, ao seu irmão, ao seu neto -- ou a si próprio. aparentemente, a maior parte das pessoas acha que a lei se fez para ser cumprida por todos menos pela entidade que tem por missão vigiar o seu cumprimento. aparentemente, a maioria das pessoas não faz a menor ideia do que é um estado de direito. ou acha que isso é um luxo que não se aplica a bairros sociais, a minorias étnicas, a pobres, a gente que não conhece ou que não ve como 'igual'.

 

esta história, e a reacção a ela, diz muito sobre o país que somos e as instituições que temos. e o que diz é muito muito mau.

25 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media