Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Raposo faz birra perante a Constituição

O colunista do Expresso, Henrique Raposo, escreveu um texto intitulado A Constituição faz birra perante a realidade. Eis os seus argumentos:

 

1. "Confesso que fico fascinado perante este processo mental: decreta-se que o efeito (a crise, a bancarrota, a necessidade de cortes) é inconstitucional ao mesmo tempo que se consagra a intocabilidade da causa (os tais "direitos adquiridos" de partes da população)".

 

É caso para ficar fascinado uma vez que sendo um processo mental inventado pelo próprio Raposo, consegue, ainda assim, estar errado. A ideia de que a crise, a bancarrota e a necessidade de cortes são efeitos dos "direitos adquiridos" consagrados pela Constituição é simplesmente falsa. Ignora a crise financeira de 2008, ignora a crise das dívidas soberanas desde então. É mentira.

 

2. "é impossível mudar o que está mal a tempo e horas devido a cegueiras ideológicas e a interesses corporativos"

 

A Constituição portuguesa é das constituições mais revistas da Europa, tendo sido revista em 1982, 1989, 1992, 1997, 2001, 2004 e 2005. Pode mesmo dizer-se que há um fétiche com a revisão constitucional. Que se saiba a própria nunca se queixou, pelo que a impossibilidade de mudar seja o que for não se deve tanto a cegueiras ideológicas ou a interesses corporativos mas a essa coisa, espera, como se chama?... Ah, já sei, o normal funcionamento da democracia constitucional

 

3. "o regime que recusa mudar consagra a inconstitucionalidade da realidade financeira que ele próprio produziu"

 

Já sabemos que é mentira. Ver ponto 1. Mas já agora recordemos que foi com a revisão de 1989 que se transitou para um regime verdadeiramente capitalista. Logo, parece que a Constituição é presa por ter cão e por não ter.

 

4. "é impossível tocar estruturalmente na despesa, o regime lança mais impostos sobre a sociedade que produz e que está lá fora, fora do espaço dos "direitos adquiridos"

 

Aqui também está tudo errado. Em primeiro lugar não é impossível tocar estruturalmente da despesa. São opções políticas. Veja-se a revisão dos regimes especiais de aposentação ou dos subsistemas de saúde de algumas categorias de funcionários públicos, durante o 1.º Governo Sócrates. Em segundo lugar, é ridículo, e novamente errado, pensar que "a sociedade que produz" está fora do espaço dos "direitos adquiridos". Da última vez que vi os números da PORDATA ia jurar que a maioria dos portugueses utiliza o SNS, a escola pública, os serviços de justiça e beneficia da segurança social.

 

Para terminar deixo um caso para reflexão geral, e a Henrique Raposo em particular. Imaginemos que podemos mexer na Constituição. Por que não começar por recuperar velhas regras, entretanto desaparecidas e que podiam ajudar a resolver o défice e a dívida? O confisco, por exemplo. Há por aí muita riqueza que podia ser utilizada para ajudar o país a pagar as suas dívidas, segundo a Forbes. Aparentemente é a Constituição que o impede. Talvez Raposo tenha alguma razão.

 

 

(com um abraço ao Tiago Antunes)

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media