Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

en bacanches

Há uma década, as televisões passavam repetidamente uma informação curiosa: a PSP e a GNR tinham um programa de "férias seguras" que concedia segurança adicional aos cidadãos, quando se ausentassem. Bastaria que se dirigissem à esquadra da sua zona de residência e que preenchessem um impresso com os dados da habitação, os dias de ausência, as pessoas que possuíam chave, etc. Seria então feito um reforço do patrulhamento durante o período de férias. Lembro-me perfeitamente de ter visto um responsável policial num dos programas "da manhã" a falar do assunto. Pois. Em 2003, foi o que fiz. Mas na esquadra da minha zona desenganaram-me logo: ninguém sabia quem tinha inventado tal patranha, os próprios agentes estavam irritados com a coisa, porque esse programa não existia, na esquadra não tinham quaisquer instruções a esse respeito, nem meios, nem formação, nem coisa nenhuma. O palpite do guarda foi que alguém nas relações públicas da PSP tinha bons contactos na imprensa e quis, assim, aumentar o sentimento de confiança da população. Mas ali, que ainda por cima era GNR, nada disso existia.

Lembrei-me deste episódio há dias, ao escutar, com divertido interesse, uma peça que passou num dos noticiários da hora do jantar (não me lembro do canal): começou com uma parceria de patrulhamento policial luso-espanhol em diversas localidades de ambos os lados da fronteira, passou para vários depoimentos obtidos na rua junto de turistas (invariavelmente ora portugueses, ora espanhóis) e de vários agentes e rematou com o que parecia ser uma ação de formação dada a elementos policiais. Pelo menos, estavam todos sentados a escutar uma pessoa que ia falando e proferindo frases exclamativas para a audiência. Um pormenor interessante: aparentemente eram todos homens, sentados e fardados; quem falava, não. Nem homem, nem sentada, nem fardada, muito pelo contrário: uma mulher jovem e indubitavelmente atraente que ia circulando pela sala, de mini-saia ou calções curtos e decote generoso. Seria bom que alguém dissesse se tal opção vestuária foi eficaz ou contraproducente, sff.

Uma das frases que me chamou a atenção foi (mais ou menos) esta: "o pior que se pode dizer a quem foi vítima de furto [eram sobretudo os furtos que estavam em foco, por constituírem a maioria dos casos de queixa policial e o que mais origina o sentimento de insegurança nos turistas] é «não posso fazer nada»; é sempre possível fazer alguma coisa, e o agente pode e deve informar a pessoa lesada dos procedimentos que são tomados e incutir-lhe confiança". Que pena que estas recomendações dadas aos agentes policiais apenas vigorem em ambientes turísticos, no Algarve e durante a época balnear. É que no resto do país, nos restantes nove meses do ano e junto da população mais morena e com menos sotaque também dava um grande jeito.

Eu explico: a minha casa foi assaltada duas vezes, em 2007 e 2008, com um modus operandi idêntico. Em ambas lá foi o piquete da esquadra policial tomar nota da ocorrência, mandaram o C.S.I. lá da terra no dia seguinte com uns pincelinhos e pó-de-talco para concluir que "usaram luvas, nada a fazer". Das duas vezes, os agentes, enfim, encolheram os ombros, "pois, está a ver, esta malta... isto agora é assim", e a tal frase assassina: "não podemos fazer nada".

Das vezes que fui à esquadra tentar obter informações, a reação foi mais ou menos a mesma, um encolher de ombros, pistas, casos idênticos, suspeitas? ná, "é melhor esquecer, tem seguro?". Nada disto, por si só, seria muito grave. Mas quando tive que tomar providências de segurança e contratei um serralheiro da terra para me fazer uma (linda) porta de lagartas, ouvi uns rumores interessantes: outras casas haviam sido assaltadas nas mesmas ocasiões, com os mesmos procedimentos, tudo igualzinho; dizia-se na terra que se desconfiava quem tinha sido, e que a polícia "os" conhecia muito bem, eram presidiários que aproveitaram (em dois anos seguidos) a folgazinha efémera de Natal para fazer mais uns servicinhos.

Há dois anos, em pleno agosto, o meu carro foi furtado à porta de casa. Nunca apareceu. Na mesma esquadra, idem aspas aspas. Com uma agravante: quando me dirigi lá duas semanas depois, para tentar obter informações sobre o paradeiro da viatura, fui recebido com modos, educação e atitude adequadas a quem pensou certamente que eu era o ladrão, e não o lesado; quis saber quem eu era, o que estava ali a fazer e porque fazia aquelas perguntas. A tal senhora da ação de formação policial televisiva disse que "não posso fazer nada" é uma frase proibida? Pois eu, a quem só faltou ser exigida a identificação e, quem sabe, uma confissão onde tinha escondido o carro, tê-la-ia ouvido com simpatia. Mas pronto. As bacanches já tinham terminado, e era hora de regressar ao país real.

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media