Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

o ovo e o foro

Está no Provérbios Medievais Portugueses, de José Mattoso (col. "essencial", aqueles livrinhos minúsculos da INCM que custavam 100 escudos): "não é pelo ovo, é pelo foro". O ditado refere-se ao pagamento (o foro) que os rendeiros - ou seja, camponeses sem terra - tinham que pagar aos donos da terra. Como muitos provérbios, tem um sentido literal e um figurado, irónico e crítico: a) um foro é um foro, e portanto há que cobrá-lo, ainda que se trate de apenas um ovo (ou seja, uma espécie de versão popular do dura lex sed lex, escuso-me a paralelos fiscais dos nossos dias); b) mas para quem auferia grandes rendimentos, cobrar um ovo era sinal inequívoco de mesquinhez, avareza e insensibilidade, dada a situação provavelmente miserável de quem o pagava. Esta dualidade de interpretações numa frasezinha tão curta e aparentemente inócua sempre me encantou. Aliás, o livrinho está cheio de pérolas idênticas, a maior parte caída em desuso, outras ainda resistentes na memória coletiva e umas deliciosas pelo que revelam de todo um universo mental em regressão (bom, penso eu de que): "o homem fogo, a mulher estopa; vem o diabo e assopra".

Há dias, viajando eu pelo metropolitano de Lisboa em arribada de saloio à grande urbe, fui fulminado por um relâmpago de memória que me transportou ao pequeno incunábulo lido há décadas e ao referido provérbio que lá consta: "não é pelo ovo, é pelo foro". Nem Thor, nem Zeus, nem Seth, nem Xolotl, apenas um singelo aviso numa das portas. Diz que os penetras sem bilhete serão multados. E que a sanção será terrível, entre 100 a 150 vezes o preço do bilhete em falta. Paguei 1,20 pelo meu, o que significa que, se o perdesse e fosse apanhado, pagaria entre 120 a 180 €.  Imagino que quem, há séculos, fosse apanhado a caçar nas coutadas do senhor, também estivesse sujeito a pesadas penalidades. Provavelmente bem mais duras ou, pelo menos, fisicamente dolorosas. Mas nessa altura, presumo, a dureza do castigo dependeria do humor, da gravidade (sei lá, entre um coelho e um mamute), da altura do ano ou de outros fatores mais ou menos aleatórios. No Metro, não sei. Ignoro que me faria pagar 120 ou 180. Os meus lindos olhos, um choradinho, a minha vestimenta, o respeitinho para com o agente, um sinal sincero de arrependimento e uma promessa de nunca mais repetir, será? Ou a magnanimidade de quem fiscaliza?

120 a 180 € não é "um ovo". Talvez para aquela senhora Espírito Santo que diz que gosta de "brincar aos pobrezinhos" o seja. Para mim não é e para um desempregado ou um velho com 300 € de reforma, nem imagino o que seja. Onde está ele, então? Ali. É que para além do multiplicador de centena a centena e meia, o prevaricador tem, ainda, que pagar o bilhete em falta. 100+1 a 150+1, portanto. Quem sabe, 126, pronto, a meio da tabela. Este 1 é "o ovo". Não é que 1 faça grande diferença entre 100 e 150. Mas a lei é a lei, uma coisa é a multa, outra é o pagamento do bilhete, nada de confusões. Também me fez lembrar as execuções na China, em que a família do criminoso tem que pagar a bala. Mas fico-me pelo provérbio. Não é pelo ovo, é pelo foro.

2 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media