Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

dos números

"O número de formas úteis de montagem dos ácidos nucleicos é incrivelmente elevado. É, provavelmente, mais alto do que o número total de átomos do universo. Isto significa que o número de tipos possíveis de seres humanos é muito maior do que o número de humanos que alguma vez viveu".

Palavras de um génio da física, da ciência, da divulgação, da comunicação, que sempre admirei. Chamava-se Carl Sagan e misturava aquela ousadia de imaginar com um ceticismo a toda a prova. Não era ateu, porque não tinha provas de que Deus não exista; nem crente, pelo motivo inverso. Os números de Sagan são notas da música celestial, escutada através da ciência. Ouvi-lo e vê-lo, por exemplo, na série Cosmos, é uma lufada de espanto, de esperança e de maravilhamento. Devia ser obrigatório nas escolas, nas faculdades, nos foruns políticos, nas workshops de economia, nas reuniões secretas das células terroristas, nas igrejas e nas mesquitas, nos quartéis e nas prisões; em Davos e no Rio, em Nova York e em Pyongyang, em Teerão e em Tel Aviv. Incrível como todo um povo pensou que a única forma de sarar a humilhação de Versalhes seria o pogrom; inacreditável como uma elite governativa de um império decadente decidiu que o modo exclusivo de inverter a sua sorte seria exterminar os arménios; espantoso como um regime, um partido, um país inteiro julgou que só seria possível preservar o seu modelo social mediante o gulag; e, como ontem e hoje, tantos e tantas vezes creram e perfilham soluções, vias e respostas únicas, dicotomias simples, sim ou não, preto ou branco, nós ou eles, Deus ou o Demónio, morrer ou matar. Causam assombro os falsos becos sem saída da História. A estupidez humana não tem limites.

E, nos nossos dias, os falsos profetas que nos querem incutir soluções únicas e alegadamente inevitáveis, os sacerdotes dos números que nos conduzem para idas sem retorno, os políticos sem imaginação que nos impingem à força a destruição de vidas e sonhos, os tecnocratas do Excel que puxam os cordelinhos da fatalidade austerocrática, todos eles, todos, nunca viram nem ouviram Carl Sagan, nunca, nem uma vez. Arrogam-se de critérios da ciência (política, económica) e usam muitos números, mas apenas geram pobres peças de uma nota só; e isso, como qualquer um sabe, não é música. E as sociedade humanas, embora infinitamente menos complexas do que as espirais do DNA e do RNA, mereceriam, se não uma sinfonia celestial, pelo menos uma fuga, uma cantata, uma sonata

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media