Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

fire walk with them

Faz hoje seis anos que tive o fogo à porta de casa. Nada de muito alarmante, se bem que não tenha sido uma experiência agradável. Não me impressionou a dimensão do fogo, mas sim duas coisas: o espetáculo mediático - para não dizer circense - que foi montado por aqui, com carrinhas da RTP e da TVI, presidente da Câmara a fazer declarações in loco, histórias e boatos de que uma quantidade de senhores da política teria casas de veraneio na região e que, portanto, isto nunca arderia, engarrafamentos de carros de bombeiros (até de Setúbal vieram), aviões a lançarem cargas de forma mais ou menos atabalhoada (levei um duche de espuma nesse dia, e estava no topo da minha casa), um festival. A segunda coisa foi a reação das pessoas. Tive a rua cheia de gente (até vi uma que andava com a gaiola com o canário, não sei se para salvar o bicho, se para medir a toxicidade da atmosfera) a dizer idiotices: que tinha ardido "tudo", dali até ali, que o fogo começara além e que já tinha passado Nafarros e que estava incontrolável. Por momentos, não percebi que raio andaria tanto bombeiro a fazer. No dia seguinte, fui ver a área ardida e verifiquei que fora um fogacho, nada que se comparasse a um dos grandes incêndios que, por essa altura, faziam as manchetes e as aberturas dos noticiários.

A mesma história repete-se todos os anos, a mesma angústia televisionada de gente desesperada a ver bens e propriedade em perigo, as mesmas tragédias de vidas perdidas, a mesma sensação de revolta e de impotência. Mas continuo perturbado com a falta de sensatez e de memória. Há dias, alguém disse à minha frente que "antigamente não havia disto"; relembrei, só a título de exemplo, o que aconteceu perto daqui no ano em que nasci e os grandes incêndios da década de 80, um em especial. Nem foi preciso relembrar o que foi o verão de 2003. Na "antena aberta" da Antena 1, um ouvinte disse que noutros países com floresta ("Alemanha, Inglaterra, Finlândia", ouvi eu) isto não acontecia; outro contou que estivera em Marrocos e que lá não há fogos porque cortam uma mão aos incendiários. Uma vez mais, e como noutras questões, o senso comum aposta na repressão impiedosa e na solução penal para o problema, "e não me venham cá falar em tretas de direitos humanos", como ouvi.

Dou comigo a pensar como é que as pessoas acreditam que tudo não passa de um problema judiciário e que não havia pirómanos há 20, 30 e mais anos. Será que o facto de termos um interior desertificado e um mundo rural em declínio acelerado não conta? E, já agora, que continuamos a menosprezar a prevenção e o trabalho a fazer nos restantes 11 meses do ano, que subsiste o problema da coordenação de meios e recursos, e que nem sempre a reflorestação é feita da forma mais correta? E, por fim, que isto se enquadra num âmbito mais geral de ordenamento do território? E não estaria na altura de aceitar que a floresta da orla mediterrânica está sujeita naturalmente à renovação pelo fogo e que o verdadeiro problema é que há casas e pessoas, cada vez mais isoladas, a viver ali no meio? Não sei. Sei, sim, que é uma rotina angustiante ver tantos noticiários a começarem da mesma forma, sempre com imagens idênticas e abordagens sensacionalistas, dramáticas. Que direito tem um jornalista de explorar a aflição de pessoas em pânico? fazer perguntas imbecis a quem está assustado e em risco de perder o que tem? Eu bem que gostaria mais de ter alguém em direto do Cairo, por exemplo, do que de uma aldeia da Beira. E, já agora, alguém explique a quem anda por lá que os Canadair não são "bombardeiros pesados", como ouvi um repórter dizer no outro dia, em horário nobre de um canal nacional.

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media