Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

a quem tenho que pedir desculpa?

Foi há dois anos. O meu carro desapareceu à porta de casa. Era uma chaveco velho com 20 anos, mas dava muito jeito, sobretudo por ser a diesel e pelo estilo "carro de combate" que aguentava tudo. Até hoje não consigo perceber quem se terá dado ao trabalho de furtar aquilo. Disseram-me que foi por causa das peças, asseguraram-me que foi por causa do motor ("uma bomba, valia mais do que o carro"), houve quem me garantisse que foi para um país africano. A explicação mais razoável foi que o usaram e que o largaram nalgum buraco. Nunca apareceu. Inglório fim para um Opel Corsa que suportou tudo, inclusivé um abalroamento estúpido por um cavalheiro que não parou num stop, que guiava sem seguro e que a polícia não quis saber porque tinha o "selinho" no limpa pára-brisas (e o guarda não conferiu a data), e por cuja indemnização ainda aguardo, em processo judicial, contra o dito e contra aquela maravilha da cidadania chamada Fundo de Garantia Automóvel.

Adiante. Passado um ano, feito o luto do velho boguinhas e perdidas as esperanças de o reaver, era chegada a hora de cancelar a matrícula e de deixar de pagar o Imposto de Circulação Automóvel que o fisco simpaticamente me continuava (e continua) a cobrar. Numa conservatória do registo automóvel, disseram-me que teria que ir ao IMTT tratar disso. E foi o que fiz. Depois de consultar o respetivo site, perdi uma manhã numa Loja do Cidadão. Nada feito, afinal era preciso uma "declaração da polícia" atestando a queixa que fiz no dia do furto. Protestei, porque nada disso constava na página informativa do IMTT e escusava de perder horas para nada. Paciência, encolher de ombros.

Muito bem. Passados meses, respirei fundo e decidi encerrar de vez a história. Fui à esquadra da GNR onde a queixa fora efetuada. Ninguém sabia o que fazer e acabaram por me encaminhar para a da PSP, "porque eles é que têm as bases de dados das viaturas furtadas". Lá fui. Histórias surreais à parte, lá me deram um documento. Agora era só voltar ao IMTT e acabar com isto. Para quem não saiba, o congestionamento destes serviços faz perder um dia inteiro. Há semanas fui lá, estavam 114 pessoas à minha frente. Hoje, finalmente, madruguei e apareci antes da hora de abertura. Duas horas de espera não é muito, de facto. Caso resolvido? Não. "Esta declaração não serve" foi o veredito. Voltei a protestar, porque não tenho culpa que a polícia não saiba o que quer o IMTT, que isto deveria estar tudo devidamente regulamentado e que andar de IMTT para a GNR, da GNR para a PSP e da PSP novamente para o IMTT não me parece justo, sobretudo porque, se as coisas funcionassem, deveria ser o próprio IMTT a pedir os dados que quisesse à polícia (qualquer que fosse). O processo entrou, fiz um "pedido" com a informação, mas já me avisaram de que deverei receber uma carta a dizer que falta a declaração adequada. E tive que pagar 10 €. Ah! e "tenho que lhe dizer que, para todos os efeitos, a matrícula não está cancelada". O fisco lá irá cobrar mais uma anuidade de IUC, e eu continuarei a perder o tempo que as instituições oficiais e policiais acharem adequado. E lá vamos cantando e rindo. Eu, não. Quem me roubou o carro, decerto que sim. Tenho a certeza de que lhe deu muito menos trabalho do que me está a dar a mim.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media