Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

mijar para a história

O primeiro-ministro mais divertido da história recente é Pinheiro de Azevedo. Que gritava "bardamerda para o fascista", que metia as mãos nos suspensórios para afirmar aos jornalistas, com ar de quem tinha regado bem o almoço, ou, não tendo ainda almoçado, de quem começava cedo, "não gosto de ser sequestrado, é uma coisa que me chateia" (a propósito do cerco de operários a São Bento), que declarou greve do Governo e cunhou o famoso "É só fumaça, o povo é sereno". Almirante, este homem de trato pouco polido e claro sentido de humor dirigiu um dos enésimos governos provisórios do pós-25 de abril, num tempo épico e louco, cheio de som, fúria e esperança, tendo-lhe calhado a ingrata tarefa de pilotar o País entre agosto de 1975 e junho de 1976.

 

Não fosse tão exuberante no linguajar e talvez ninguém o distinguisse hoje dos outros PM desse conturbado período - à exceção, claro, de Vasco Gonçalves, que substituiu. Talvez Passos Coelho, que tinha 11 anos quando Pinheiro de Azevedo tomou posse, pense, por se considerar no segundo processo revolucionário em curso do pós-25 de abril, ser apropriado recuperar a linguagem desbragada de um PM do original PREC - e que, se por mais nada, será ao menos por isso recordado. Há, aliás, se virmos bem, mais paralelismos entre os dois. Onde Pinheiro de Azevedo se via cercado pelos gonçalvistas, Passos crê-se sitiado pelos juízes do Constitucional; onde Pinheiro de Azevedo foi o penúltimo dirigente governamental antes do advento da democracia (as primeiras legislativas), e estava em funções quando a Constituição entrou em vigor, a 25 de abril de 76, o atual PM quis ser o primeiro a rasgar o contrato eleitoral mal tomou posse, fazendo tudo ao contrário do que propusera, tendo como objetivo inconfesso cilindrar a Constituição.

 

De alguma forma, Passos é a antítese de Pinheiro de Azevedo: o segundo pretendeu "acalmar" um Portugal incendiado pelas paixões políticas, o primeiro quer, na esteira de Vasco Gonçalves, reacender o conflito entre patrões e trabalhadores, entre esquerda e direita, entre democratas e autoritários. Pinheiro de Azevedo foi um nome da transição para a democracia; Passos é a cara de um Executivo que se verga a todos os ditados de poderes estrangeiros e estranhos ao primado da representação democrática. Quando, na tão esforçada campanha para umas eleições que alegadamente queria "que se lixassem", usa a elegante expressão "para trás mija a burra", o primeiro-ministro está, afinal, a assumir que, para ele, a história começou a 5 de junho de 2011, quando decidiu implantar um novo regime e, à boa maneira estalinista, redesenhar a realidade, justificando todas as suas ações na paranoia do cerco e da inevitabilidade. Conta para isso com o proverbial "povo sereno". Não podemos saber o que lhe diria cara a cara o desaparecido em 1983 "almirante sem medo", mas podemos apostar que não andaria longe de "bardamerda". E nós?

 

(publicado ontem no dn)

3 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media