Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Vai de Arroja

O depoimento de Pedro Arroja na RTP-I, ontem pelas quase 22 horas, a propósito do seu livro, é divertidíssimo. Não estou a ironizar. O ar sério com que diz os maiores dislates históricos, a-históricos e não-históricos é de gargalhada. O crédito que lhe é concedido, na RTP e noutras bandas, é que já me faz rir menos. É sempre bom encontrar alguém (e não é um alguém qualquer, "sou um estudioso, sou um académico") com ideias claras e simples: Qual é o grande mal de Portugal? Resposta: a importação de ideologias estrangeiras do norte da Europa (os socialismos germânicos e os liberalismos anglo-saxónicos) que são "versões laicas do mesmo fenómeno, o protestantismo religioso". Ideologias estrangeiras importadas, estranhas, "ruinosas" e "inimigas" da tradição portuguesa. Portugal importou a ideia de partidos e isso é terrível: "os partidos são uma evolução laica das seitas protestantes que visam dividir as comunidades (...) são uma agressão à nossa cultura". Simples e eficaz: não houvesse estes partidos, e Portugal uno e indivisível encher-se-ia de fraternidade lusitana, graças ao "sentido comunitário que os portugueses têm, devido à sua cultura".

De facto, se há povo com sentido comunitário, nada individualista, é o português. Basta tentar marcar uma reunião com mais de 3 pessoas e vê-se o resultado. Ná, isto sou eu que sou um gajo pirrónico, razão tem o Arroja: "o que é essencial daquela cultura germânica é a adversidade entre as pessoas; enquanto que nós portugueses constituimos uma família, eles não; eles são apenas um país com várias comunidades que frequentemente se odeiam umas às outras (...); o que não é o nosso caso, os portugueses não odeiam os portugueses, exceto quando há alguns incentivos a que o façam".

Ora bem, ainda no diagnóstico: o Estado-Providência é mais uma invenção alemã, "criado pelo Bismarck, que perseguiu os católicos". Portanto, proteção social é coisa que não compete ao Estado, mas (tradicionalmente, e assim é que deve ser) à Igreja, que os alemães arruinaram e a quem se tentaram substituir. E economia? Portugal deve fazer aquilo que sabe e que sempre fez: agricultura e pescas, em vez de andar metido nas indústrias aeroespaciais, supremo disparate. De facto, Portugal não tem tradição aeroespacial; o que temos de mais próximo é a Passarola de Bartolomeu de Gusmão. Os americanos, por exemplo, é que têm uma antiquíssima tradição dessas, secular, milenar mesmo. Toda a gente sabe que George Washington era um competente astronauta, que os extraterrestrres construíram Tihuanaco e que há séculos visitam o continente americano regularmente (diz-se que Roswell foi um infeliz incidente causado por um piloto em ressaca). Portanto, o Kennedy limitou-se a recuperar uma antiga tradição lá do país dele. Por cá - e com exceção de alguns intelectuais aluados - nada disso, o que temos com fartura é cortiça, analfabetismo e pesca à linha. E Papa, santos e santinhos, belas tradições muito nossas, sem partidos nem seitas. Os que havia, a Inquisição acabou com elas, acho eu de que, mas isso agora não interessa.

Só isto, coisas pequeninas e muito nossas? Não, senhor. "Portugal sempre foi viável, já dominou meio mundo sem a União Europeia... ainda esses países, que nós andamos agora a imitar, como a Alemanha e esses países do Norte da Europa, ainda eles não existiam como países e já nós éramos grandes no mundo". A descascar sobreiros e a roer côdeas de pão, presumo eu, porque explorar o Atlântico, construir a Mina e financiar uma viagem marítima até à Índia não faziam parte da nossa tradição, era - pouco mais ou menos - como... hmmm, como apostar na indústria aeroespacial hoje, não? isto é só um supônhamos.

9 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media