Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Vai de Arroja

O depoimento de Pedro Arroja na RTP-I, ontem pelas quase 22 horas, a propósito do seu livro, é divertidíssimo. Não estou a ironizar. O ar sério com que diz os maiores dislates históricos, a-históricos e não-históricos é de gargalhada. O crédito que lhe é concedido, na RTP e noutras bandas, é que já me faz rir menos. É sempre bom encontrar alguém (e não é um alguém qualquer, "sou um estudioso, sou um académico") com ideias claras e simples: Qual é o grande mal de Portugal? Resposta: a importação de ideologias estrangeiras do norte da Europa (os socialismos germânicos e os liberalismos anglo-saxónicos) que são "versões laicas do mesmo fenómeno, o protestantismo religioso". Ideologias estrangeiras importadas, estranhas, "ruinosas" e "inimigas" da tradição portuguesa. Portugal importou a ideia de partidos e isso é terrível: "os partidos são uma evolução laica das seitas protestantes que visam dividir as comunidades (...) são uma agressão à nossa cultura". Simples e eficaz: não houvesse estes partidos, e Portugal uno e indivisível encher-se-ia de fraternidade lusitana, graças ao "sentido comunitário que os portugueses têm, devido à sua cultura".

De facto, se há povo com sentido comunitário, nada individualista, é o português. Basta tentar marcar uma reunião com mais de 3 pessoas e vê-se o resultado. Ná, isto sou eu que sou um gajo pirrónico, razão tem o Arroja: "o que é essencial daquela cultura germânica é a adversidade entre as pessoas; enquanto que nós portugueses constituimos uma família, eles não; eles são apenas um país com várias comunidades que frequentemente se odeiam umas às outras (...); o que não é o nosso caso, os portugueses não odeiam os portugueses, exceto quando há alguns incentivos a que o façam".

Ora bem, ainda no diagnóstico: o Estado-Providência é mais uma invenção alemã, "criado pelo Bismarck, que perseguiu os católicos". Portanto, proteção social é coisa que não compete ao Estado, mas (tradicionalmente, e assim é que deve ser) à Igreja, que os alemães arruinaram e a quem se tentaram substituir. E economia? Portugal deve fazer aquilo que sabe e que sempre fez: agricultura e pescas, em vez de andar metido nas indústrias aeroespaciais, supremo disparate. De facto, Portugal não tem tradição aeroespacial; o que temos de mais próximo é a Passarola de Bartolomeu de Gusmão. Os americanos, por exemplo, é que têm uma antiquíssima tradição dessas, secular, milenar mesmo. Toda a gente sabe que George Washington era um competente astronauta, que os extraterrestrres construíram Tihuanaco e que há séculos visitam o continente americano regularmente (diz-se que Roswell foi um infeliz incidente causado por um piloto em ressaca). Portanto, o Kennedy limitou-se a recuperar uma antiga tradição lá do país dele. Por cá - e com exceção de alguns intelectuais aluados - nada disso, o que temos com fartura é cortiça, analfabetismo e pesca à linha. E Papa, santos e santinhos, belas tradições muito nossas, sem partidos nem seitas. Os que havia, a Inquisição acabou com elas, acho eu de que, mas isso agora não interessa.

Só isto, coisas pequeninas e muito nossas? Não, senhor. "Portugal sempre foi viável, já dominou meio mundo sem a União Europeia... ainda esses países, que nós andamos agora a imitar, como a Alemanha e esses países do Norte da Europa, ainda eles não existiam como países e já nós éramos grandes no mundo". A descascar sobreiros e a roer côdeas de pão, presumo eu, porque explorar o Atlântico, construir a Mina e financiar uma viagem marítima até à Índia não faziam parte da nossa tradição, era - pouco mais ou menos - como... hmmm, como apostar na indústria aeroespacial hoje, não? isto é só um supônhamos.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media