Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

como se eu fosse muito burra

Há uns meses, assisti a uma reportagem da Sic sobre a Baixa. Sobre as pessoas que lá vivem, mais exactamente no Rossio. Os entrevistados incluíam uma família jovem que para ali se mudara há pouco tempo e falava da experiência, do movimento e da vista da praça com entusiasmo. A reportagem terminava  com uma bela imagem nocturna da praça vazia, aludindo porém não à beleza mas à “desertificação” e à “insegurança” da Baixa à noite. Enquanto se espera pela anunciada requalificação que é central nas promessas eleitorais há uma década (e já lá vai um ano, senhor presidente da Câmara), o discurso mediático mantém-se enquistado em mitos. É certo que a Baixa necessita de mais habitantes. Mas não é a falta deles que a transforma num deserto à noite. Qualquer bairro residencial que não tenha estabelecimentos abertos à noite está deserto a partir das 8. Aliás, há bairros residenciais muitíssimo habitados que estão desertos a todas as horas do dia, como é o caso da Lapa. E, como deve ser para toda a gente óbvio, o que faz o movimento nocturno no Bairro Alto não é decerto o nível de residentes. Mais: o movimento nocturno intenso, com o que traz de barulho, é algo que nenhum residente deseja no seu bairro. O problema, portanto, está longe de ser a desertificação nocturna de uma zona que durante o dia, juntamente com o Chiado, é uma das zonas mais movimentadas de Lisboa e onde um passeio atento permite perceber várias coisas.

A primeira é que, ao contrário da ideia feita de que a Baixa não é atractiva ao investimento privado, estão a surgir uma série de novos e interessantes estabelecimentos comerciais, entre restaurantes e hotéis, e as lojas continuam a disputar o espaço disponível. Outra é que um dos motivos pelos quais a zona não tem mais habitantes são os preços proibitivos que estão a ser pedidos pelos fogos disponíveis, preços esses que aliados à degradação geral da zona -- o estado incrivelmente esburacado do piso, a ruína de uma parte dos prédios, o tráfego intenso de atravessamento, a dificuldade de estacionamento para residentes, a deficiente recolha de lixo, a baixa qualidade estética de grande parte do comércio – afastam os potenciais moradores e chegam a expulsar os que ali se fixaram. Parte das medidas anunciadas pela autarquia para a Baixa, como a criação de um museu ou o estruturar de ruas como “centros comerciais” soam  um pouco saloias, pensadas “de fora” e para quem visita. Quem visita a Baixa visitará sempre porque é a Baixa. Pensar para o turismo é interessante, mas antes de desenhar museus resolva-se o básico: um piso em que não se escorregue, tropece e entorte os pés constantemente e no qual os carros não estremeçam como em caminho de cabras, ruas e não vias rápidas (não se pode parar um táxi ou um carro nas ruas da Prata e do Ouro em nome da sacrossanta “fluidez” do tráfego) livres de sacos de lixo e limpas, a classificação das lojas e o fim da sua destruição paulatina com substituição de ferros forjados por inox e de mobiliário secular por balcões de vidro à dúzia (parece que o museu que vem aí é de design – que tal manter o design na rua, hã?), garantia de lugares de estacionamento para residentes e o assegurar de estruturas básicas como um mercado semanal de frescos (tão comum na generalidade das grandes cidades europeias) e de espaços para crianças. Falo apenas de competências camarárias -- a reabilitação do edificado, vital mas a depender na maioria dos casos de iniciativa privada, não se inclui nesta lista, assim como a alteração dos horários das lojas. Falo de coisas básicas, e nem todas dispendiosas. Coisas que não consigo perceber como estão ainda por fazer na zona mais simbólica da capital. Alguém me explica, por favor, porque é que tardam tanto? (publicado na coluna 'sermões impossíveis' da notícias magazine de 24 de agosto)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media