Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Cláudia Vieira fora das bermas de estrada

Não tenho a pretensão de vir a ser acusado de plágio, mas admito à partida que li há uns dias este post do Pedro Mexia. Os textos pedem o mesmo - a atenção da Cláudia Vieira, bem entendido - mas há algumas diferenças. A começar, o Pedro endereça a sua carta a uma entidade privada e eu exijo mais regulamentação por parte do Estado - o que faz todo o sentido e, perante declínio da ideologia, chega a ser reconfortante. A seguir, o Pedro preocupa-se com a erosão pública da sua fantasia e só é hipócrita na sua preocupação com a fantasia do outros e eu, absolutamente hipócrita, preocupo-me apenas com a segurança dos condutores. Por fim, diferimos na apreciação estética, mas não vos quero maçar mais.

 

 

Li na imprensa especializada que a actriz Cláudia Vieira suspeita de que nas cenas íntimas “aparecem, por vezes, pessoas no plateau que não parecem estar ali por razões totalmente profissionais”. Sem ousar discordar, ocorreu-me que nas minhas deslocações diárias totalmente profissionais, quem aparece é a Cláudia – e em trajes bastante íntimos. Ora bem, sustento a tese de que a presença na praça pública de uma Cláudia de lingerie de ligas é um atentado à segurança rodoviária. Ainda ninguém quantificou os acidentes que, não se devendo a aselhice, embriaguez, intempérie, estado do parque automóvel ou das estradas, resultam de uma desatenção provocada pelos anúncios, mas creio que fortes interesses se opõem a este escrutínio. De outro modo, não percebo como se autoriza ecrãns com imagens que fazem da A5 uma sala de estar e anúncios radiofónicos com buzinadelas de carro que tomamos por reais. É neste contexto que sou pela imposição de uma distância mínima de segurança que impeça a presença de imagens de Cláudia Vieira junto das estradas –impor a prisão domiciliária à própria Cláudia foi ideia que, a custo, abandonei.
 

A mudança nos costumes, que banalizou o sexo e subiu a fasquia daquilo que é considerado impróprio, transformou a publicidade à lingerie em sublimação sexual colectiva. Sobre soutiens escreveu Prado Coelho uma crónica de antologia e sobre a nossa Cláudia pode um jovem entabular conversa com a sua avó a propósito do tamanho da copa ideal. Afinal, as grandes imagens do final do século passado são os alemães a destruir o muro de Berlim à martelada e o peito de Eva Herzigova no aconchego do Wonderbra. Ora, com o aumento da qualidade da publicidade rodoviária aumenta o perigo para os condutores. O anunciante põe ligas na Cláudia Vieira e o consumidor agradece. De resto, protestar contra tais imagens vem com duplo pejo, porque “não é de homem” e é “um atentado à liberdade de expressão”. Mas o ónus da prova não é meu. Prove-se então que não estamos perante um problema real – bastaria calcular a frequência de acidentes em determinados trechos de estrada, antes e depois dos outdoors com fotos de Cláudia Vieira serem substituídos por fotos de Jorge Gabriel.
 

O código da publicidade tem 8 restrições para anúncios sobre álcool e proíbe a publicidade ao tabaco e ainda aos jogos de fortuna – sendo a única excepção as iniciativas da Santa Casa. O que há de comum no álcool, tabaco e jogo? O prazer e o vício. Então por que motivo não aparece o sexo nesta lista? Porque o sexo na publicidade não é uma mercadoria, é um veículo de transmissão. Nada contra. Mas repensemos o que queremos ver quando vamos ao volante. Atafulhem-me pois a caixa de correio com a Cláudia Vieira, mas afastem-na para sempre das bermas da estrada -  uma regra que, em contraste com o carácter de excepção concedido à Santa Casa para o jogo, qualquer legislador com bom senso faria ainda aplicar com reforçada fiscalização e ad eternum,  caso a moça venha a ser canonizada.
 

Este texto era para o Metro, mas embora a 1 de Dezembro de 1640 tivesse ficado determinado que o jornal não seria editado hoje, só me dei conta disso ontem.

11 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media