Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O «abuso» ateu

Há uns tempos, a propósito do autocarro ateu, dizia o Daniel Oliveira, «Ou seja, a Igreja estava convencida que os ateus, apesar de o serem, até achavam que Deus existia. Ou, talvez mais certo, a Igreja tolera a existência de ateus, desde que não digam que o são», continuando «Mas, para a Igreja, a simples ideia de que os ateus digam em público o que pensam e sentem é um “abuso”.» Na nossa caixa de comentários, um dos nossos leitores mais devotos elabora sobre esse «abuso» que é, em sua opinião, um «forte estímulo» para fundamentalismos sortidos para além de ser o culpado do renascer do integrismo católico.

 

Claro que é um pormenor irrelevante que o integrismo católico nunca tenha de facto morrido e tenha tido como  principal mentor o Arcebispo Marcel Lefebvre  cuja SSPX foi recentemente reintegrada no seio da ICAR. Ou quiçá pense que o foi por «culpa» dos ateus ou que o livro de  Lefebvre «Acuso o Concílio», em que Lefebvre expõe os erros do Concílio Vaticano II, na realidade se chama «Acuso os Ateus»...

As afirmações deste leitor não são originais, já Bento XVI e outros tinham depositado nos ateus o ónus do fundamentalismo islâmico. Lembro-me em particular duma diatribe contra os ateus de Jaime Nogueira Pinto, numa opinação no Expresso intitulada «Guerras ‘religiosas’, não obrigado» (link reservado a assinantes) a propósito da guerra dos cartoons. Nogueira Pinto considerava que as «provocações dos fundamentalistas laicos do Oeste», aqueles que defendem «o humanismo laico, a democracia participativa, a cidadania vigilante, os direitos do homem» eram de facto as responsáveis por mais «uma guerra ‘religiosa’, provocada e chefiada por ateus»…

 

De facto, nada irrita tanto alguns crentes como a existência de ateus que se atrevem a dizer que o são. Há uns tempos li um artigo na  Homiletic & Pastoral Review, publicada desde 1978 pela Ignatius Press, a editora jesuita fundada por Joseph Fessio, um doutorando de Bento XVI, que carpia exactamente isso, ou seja, que os ateus se atrevessem a vir a público dizer que são ateus, uma ignomínia apenas possível pela «decadência» da moral e dos bons costumes.


O referido texto - de que vale a pena ler a dissecação feita por um matemático americano- , foi escrito por David Carlin que, entre outras pérolas redondas de raciocínio, escreveu um livro a explicar que um católico não pode ser democrata. No artigo pastoral, Carlin perde-se em reminiscências dos bons velhos tempos em que negros, por causa da «raça» errada, e ateístas, pelas razões óbvias, eram cidadãos de segunda classe.


O sociólogo explica que a culpa deste estado de coisas, o execrado reconhecimento de ateus e agnósticos como seres humanos de plenos direitos, deve ser assacada a autores como Dawkins, Dennett ou Sam Harris, que, completamente sem vergonha na cara, quebraram uma regra fundamental das «boas maneiras» culturais americanas prevalecente em boa parte do século XX: enquanto dizer mal do ateísmo era uma virtude expectável de qualquer bom americano, os ateístas, conscientes do seu (reles) lugar na sociedade, dever-se-iam abster de tecer quaisquer comentários em relação à religião. Aliás, enquanto ateus dever-se-iam abster de abrir a boca, ponto.


O autor lamenta ser «pouco provável que a América teísta volte alguma vez a poder esquecer que um número significativo dos seus concidadãos são ateístas ou a pretender que esta minoria ateísta simplesmente não conta», uma vez que os ateístas americanos «estão a sair do armário» assumindo a defesa do «ateísmo teórico».

 

O ilustre autor dá então asas à imaginação efabulando sobre a distinção entre ateísmo teórico e ateísmo prático. O último, segundo o piedoso autor, é fácil de reconhecer pelos seus sintomas: liberdade sexual, aborto (na realidade as estatísticas norte-americanas indicam que os católicos apresentam taxas de aborto muito superiores à média e os ateus as mais baixas), casamento homossexual, eutanásia e talvez poligamia - e eu que pensava que poligamia nos EUA estava associada a uma denominação cristã, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.


Fiquei confusa por Carlin ter esquecido o que chama relativista «princípio da liberdade pessoal» nestas manifestações de ateísmo prático que, em artigos anteriores, na mesma revista e noutras, Carlin considera ser obrigação do «verdadeiro» cristão combater, nomeadamente deve ser um cruzado contra a tolerância pelo outro que permite esta liberdade abominável, uma «mutação» moral darwinista imposta pelo «inimigo secular».

 

De facto, tal como para a ICAR e muitos crentes «Estes, para quem a liberdade é mais sagrada que Deus», como carpia César das Neves também a propósito da guerra dos cartoons, estes que «estão dispostos a incendiar o mundo» pela manutenção dessa liberdade, estes ateus abusivos que não se calam, são para Carlin os únicos culpados de todos os males do mundo.

10 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media