Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

prós e contras, reacções para o mail, tomo 1

EXPURGAÇÕES/ DESABAFOS:

1. Reacções, hoje, no trabalho, ao «Prós & Contras» de ontem (que contra as minhas expectativas, pautou-se pela moderação e por um bom argumentário dos intervenientes a favor de um direito civil, absurdamente por adquirir):
a) Senhor A: «Andamos nós a pagar impostos para se falar de paneleiros naquele programa, durante 2 horas. Começou a campanha eleitoral».
b) Senhor B: «É absurdo o Sócrates, em tempo de crise económica, falar do casamento dos paneleirotes».

 


(Quanto à questão do «timing» e da credibilidade da proposta, depois de ter chumbado as do PEV e do BE, tenho críticas a fazer à decisão do PS, mas são irrelevantes neste contexto)Com este tipo de chalaças homofóbicas, muito populares e constantes, e muito mais, lido todos os dias, num ambiente supostamente urbano de pessoas maioritariamente licenciadas, sem que nenhuma me seja dirigida directamente (não cumpro o estereótipo de bissexual que os «Srs das Piadas» nunca foram questionando)...E assim se vive um tempo de repressão anacrónica, indirecta, aparentemente sem crueldade e impune. Se houver um eventual queixume ou um momento de tentativa de dismistificação equilibrada, ainda há o risco de acusação de vitimização, de nova chalaça ou de um «dizes isso só para seres diferente».
2. Acredito genuinamente que alguma gente pense que os homo e bissexuais são uns freaks longínquos, figuras mitológicas, que vivem num mundo paralelo, ou na TV, quando a realidade, se bem analisada, é muito mais complexa e diversa. Como desmistificar ideias pré-concebidas, estereótipos estafados, de que existe tanto promiscuidade na homossexualidade e na bissexualidade como na heterossexualidade, de que a homossexualidade não é uma opção, de que a homossexualidade não é uma mera prática sexual?
A educação sexual e cívica, bem planificada e aberta à pluralidade, é um caminho, que se vai perdendo há anos... Há colegas meus, de 20-30, que replicam os chavões da geração dos pais.
Discursos fundados na ideia abstracta de homossexualidade também dá azo a debates inférteis, contraproducentes (Sei bem que é delicada a exposição de casos reais).
3.
a) Pena não se tornar público o facto de que já existem imensos pais bi/homossexuais divorciados e casados, via civil, com pessoas de género diferente, que educam os filhos diariamente, com os mesmos dramas e felicidades dos outros.
b) Pena não se falar de Kinsey e dos seus estudos que afirmam que a sexualidade não é um terreno linear e que falarmos em «minorias» é uma abstracção que pode não corresponder à realidade;
c) (Moralista, esta, mas sensível) Pena não se interrogar os pais defensores fundamentalistas de um único modelo de família quem estarão eles a proteger,quando nem sequer equacionam a hipótese de que os seus próprios filhos ou familiares próximos podem estar a calar em silêncio por ouvirem os pais propalarem, acerrima e intransigentemente, por vezes hipocritamente, a injustiça, contra uma ideia abstracta e o desrespeito pela diferença?
d) Pena não se dizer que nenhum cidadão vai pagar para se alterar uma lei injusta e incongruente com a Constituição Portuguesa.
e) Pena não se desenvolver o debate em torno dos números divulgados recentemente sobre os suicídios e más performances escolares de alguns jovens ostracizados em ambiente escolar e de se elencarem poucas ideias de combate à homofobia (que existe muitas vezes velada, como ontem do outro lado da barricada).
Obrigado pela sobriedade do discurso de ontem e pela leitura.
(Para todos os efeitos sou um tipo anónimo ;))

 

23 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media