Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

crime de ódio

Já muito se disse sobre o ocorrido no 1º de Maio com a delegação do PS que visitou a manifestação da CGTP. Houve quem (PS) exigisse pedidos de desculpas às direcções da CGTP e do PCP, quem (PCP) exigisse desculpas por lhe terem exigido desculpas, quem (Carvalho da Silva) pedisse desculpa ao fim de um dia a desculpabilizar o ocorrido, quem (Jerónimo de Sousa) recusasse sequer tomar conhecimento do assunto, quem (Saramago) exortasse as organizações em causa a expulsar os seus associados responsáveis pelas agressões e quem (Pedro Sales, assessor do BE) garantisse que se um militante agredisse alguém naquelas circunstâncias seria expulso.

 

As reacções foram (ou acabaram por ser), na generalidade, de desaprovação, com a notória e iniludível excepção da direcção do PCP. Mas uma questão foi pouco ou nada abordada: a da natureza do sucedido. Essa natureza foi aliás diluída na reacção dos próprios visados, que elidiram a sua componente mais óbvia: a de crime contra a liberdade e a integridade moral e física, e portanto de caso de polícia. É um erro. Conduzir as agressões e injúrias para o plano político-partidário e exigindo apenas por elas um pedido de desculpas opera, paradoxalmente, uma espécie de banalização da violência. Mais: permite que o caso se instrumentalize numa troca de galhardetes e acusações que chegou ao ridículo dos pedidos de desculpas cruzados.

Seria, é claro, interessante saber onde andavam as autoridades policiais que em regra são deslocadas para a zona de manifestações. E é de lamentar que a bateria de jornalistas presente no local não tenha tido a presença de espírito - e a coragem - de questionar agressores e injuriadores. Mas as autoridades teriam decerto a maior facilidade em identificar os envolvidos a partir das muitas imagens de TV disponíveis. Aí saber-se-ia, sem sombra de dúvida, quem são e, pela sua boca, os motivos que os moveram.

 

E isso - saber quem são estas pessoas e por que raio acham que têm o direito de fazer o que fizeram - não é nada despiciendo. Não é o facto de Vital Moreira não ter tido necessidade de receber tratamento hospitalar e ter saído pelo seu pé da zona de perigo que torna menos grave e menos ilegal o que se passou ou afasta a necessidade de tornar claro que agredir e injuriar são crimes previstos pelo Código Penal, agravados pelo facto de, claramente, terem sido cometidos por ódio político (agravamento previsto desde 1995). Claro que chamar a polícia a mexer neste assunto teria custos políticos - num país em que por dá cá aquela palha se anuncia o regresso do fascismo, em menos de um fósforo teríamos tiradas sobre "pressões", "perseguição" e "polícia política". Sucede que fascismo, pressão e perseguição foi o que sucedeu neste 1º de Maio, com gente a arvorar-se em polícia política a coberto do anonimato e da cobardia do número, num linchamento simbólico. Nenhum antifascista digno do nome pactua com isso nem arranja justificações como "descontrolo individual" ou "crispação política" (como faz o comunista Vítor Dias numa carta ao director do Público). Porque o contrário do fascismo é a democracia, não é outro totalitarismo qualquer.

 

(publicado hoje no dn)

73 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media