Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Colherada a vol d'oiseau

É uma impossibilidade prática e uma blasfémia estilística, eu sei. Mas é útil. Meter levemente o bedelho sem conhecer a fundo o assunto. Escrever "posta de pescada bem cagada" seria deselegante e ligeiramente desagradável. Por isso, fica assim.

Venho largar uma breve sentença sobre o muito badalado tema do caso-da-professora-de-Espinho-que-falou-de-sexo-na-aula. Não, não vou repetir coisas óbvias e elementares (já explanadas, por exemplo, pela Ana, aqui). Não vou extrapolar nem fazer projecções de "efeitos", "consequências" ou algo de semelhante. Venho só constatar uma coisa que me parece elementar e que tenho visto muito pouco comentado. Elementar mas, confesso, chocante. Não sei se é de alguma hipersensibilidade minha. Ei-la: praticamente tudo ou quase que se disse acerca do caso gira em torno do teor sexualmente ofensivo e inadequado, para não dizer grosseiro, da aula. Fala-se em "sexo em termos inapropriados" (também aqui) refere-se uma "conversa sobre orgias sexuais", reportam-se "afirmações de cariz sexual", noticia-se a docente "que terá abordado temas sexuais, de modo impróprio".

Sexo, sexo, sexo. O que faz manchete, cabeçalhos, discussões, paleios na AR, é o sexo. Aparentemente, e desculpem-me se estou a parecer leviano ou irresponsável, teme-se que os professores corrompam os nossos jovens, que docentes perversas roubem a pureza dos nossos adolescentes. Nada disto faz muito sentido. A conversa da professora é um cházinho de tias ao pé das conversas habituais da maior parte dos putos. Ou será que já nos esquecemos todos de quando éramos adolescentes? Muito bem, é uma professora. E não eram exactamente adolescentes, eram pré. E que uma "conversa" nestes moldes é, simplesmente, estúpida. Estamos conversados.

O que me fez verdadeiramente impressão e que me chocou não foi isso, o sexo. O que me escandalizou (e que pouco vi comentado, e nunca numa manchete) foi a absoluta prepotência do discurso, o tom autoritário e humilhante, a arrogância provinciana, o desprezo ameaçador pelos alunos. Falar dos anos de estudo, dizer que tem um mestrado, que a mãe de uma aluna teria que tratá-la por "senhora doutora"? Promover o silêncio e o medo, ameaçar com respresálias? Humilhar alunas com tretas mal enjorcadas sobre "perder a virgindade"? Isto, sim, é que é chocante. Pequenos tiranetes na sala de aula, que usam a autoridade para imporem submissão e medo. Isto, sim, é que me assustou. Mas, é claro, a luz da ribalta não foi para aqui. Foi para o sexo. E, digo, fez todo este escândalo exactamente porque a conversa era desse teor. Porque, se não fosse, ninguém quereria saber. Provavelmente, nem teria sido noticiada. Quase de certeza, nem teria sido gravada.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media