Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

bê-á-bá do pim-pam-pum

 

Em mais um excelente exercício de perspicácia, sagacidade e clarividência, a que nos tem, aliás, habituado, a maravilha fatal da nossa idade (e da blogosfera) chamada de Paulo Pinto Mascarenhas fez ontem, após uma investigação profunda e de seriedade incontestável, uma denúncia corajosa e firme, um libelo vibrante e lúcido, contra certas imposições de agenda que impedem a discussão sobre a crise e os problemas sociais que Portugal vive neste momento. Mais precisamente, acusa certos seminários e certos movimentos de desviarem a atenção do que é essencial, numa manobra que só pode estar submetida, servir, interessar e suportar uma única força. Venho aqui, publicamente, prestar o meu integral apoio a tal posição e contribuir, ainda que modestamente, para essa denúncia.

O seminário em questão e o recente Movimento Pela Igualdade têm apenas como objectivo desviar as atenções da opinião pública, segundo a agenda do partido do governo. Nada mais do que isso. Aposto que o S. Jorge estará a esta hora vazio ou, na melhor das hipóteses, com uns quantos militantes e simpatizantes do PS arregimentados por caciques locais (quiçá atraídos por um qualquer carneiro com batatas à moda oitocentista) e engajados em autocarros de câmaras PS para virem a Lisboa bater palmas e votar moções de apoio ao governo disfarçadas de propostas igualitárias. Quem quiser confirmar, que vá lá. Já agora, alguém que fotografe e documente e divulgue e denuncie a agenda que todos eles trarão certamente debaixo do braço, uns de forma mais disfarçada, outros de modo mais ostensivo, provocatório e anti-democrático.

É mais uma manobra. E fico admirado como é que nunca, mas nunca, ninguém deu por ela. Foi preciso um blogger particularmente inteligente e arguto para o dizer claramente. Dizer que a colocação do tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo é extemporânea e inconveniente, porque apenas serve o governo e as suas estratégias e afastam a opinião pública da discussão sobre a crise. Aliás, é evidente que se trata de uma falsa questão. Sendo o casamento uma instituição em crise e em recuo, ninguém me convence que há real interesse, por parte da comunidade gay, em aderir à mesma. Tudo não passa de uma hipocrisia, de mais um ponto na famigerada agenda.

É um flare, um fogacho, um circo mediático (um drag queen show, melhor dizendo) para desviar atenções. Porque o que importa mesmo, e exclusivamente, como acusa de forma veemente o blogger, é proceder a algo que não se tem feito até agora, nunca, em lado nenhum em Portugal: discutir a crise, debater os problemas sociais. Se não houvesse censura, se existisse liberdade de imprensa e de expressão, talvez assim se conseguisse que essa discussão tivesse lugar. Quem vê televisão e lê jornais sabe perfeitamente que é coisa sobre a qual impera um silêncio absoluto, a crise. Ninguém fala dela, ninguém se atreve, porque todos os media têm demasiado terror ou estão demasiado comprometidos com a tal agenda.

Acrescento aqui uns dados que, certamente por modéstia (que não é uma das suas menores qualidades), Paulo Pinto Mascarenhas não menciona. Umas informações que completam um pouco o panorama. E que são as seguintes: não tenho qualquer dúvida de que há outros eventos que são colocados nos cabeçalhos dos jornais e nas aberturas dos serviços informativos com o mesmo propósito. Ninguém me convence de que o Primeiro-Ministro não manobrou, pressionou, e chantageou a União Europeia para que as eleições para o Parlamento Europeu se realizassem agora; ninguém me tira da ideia de que não eram precisas eleições autárquicas e legislativas este ano; ninguém me consegue demover de que os testes nucleares da Coreia do Norte foram agendados para esta precisa ocasião em sintonia e acordo prévio com o PS; que os preços do petróleo subiram bruscamente nos últimos dias só depois de a OPEP ter recebido um telefonema de um boy socialista; e, finalmente, que o recente recrudescimento dos combates na zona ocidental do Afeganistão tenha tudo a ver com as conveniências de José Sócrates. E estou seguro de que, se nos próximos dias houver nova atenção mediática sobre a menina Alexandra, será porque a mãe dela é militante do PS e recebe periodicamente ordens do Rato para espancar a filha em frente das câmaras. E que o dia em que Margarida Meneses for ao ginecologista, com cobertura televisiva, será escolhido não por ela, mas pela distrital do PS. E parece-me claro como água que muito pouco do que se discutiu, discute e discutirá na blogosfera está isento da acção da mãozinha papuda socialista.

Por fim, digo que o ilustre jornalista do i tem toda a razão quando fala da necessidade de discussão da crise e dos problemas sociais que preocupam as pessoas. Porque o que é preciso mesmo é isso, é ter a coragem de discutir. Lutar contra a crise, agir, trabalhar, são conceitos distantes, demasiado distantes. Logo que estiver discutida, se pensará nisso. E depois de se pensar nisso, e depois, enfim, de lá se fazer alguma coisinha,  e logo que a crise esteja sanada e ultrapassada, então é que se poderá eventualmente pensar em agendar coisas como a homossexualidade na PSP ou casamento entre pessoas do mesmo sexo. Até lá, adia-se, adie-se. Até quando? Cito aqui Pimentel dos Santos, aquele Governador Geral de Moçambique que, em 1973, disse categoricamente e com perspicaz sentido premonitório, quando interrogado acerca do tempo que os portugueses ficariam por lá: "forever!".

 

12 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media