Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

bê-á-bá do pim-pam-pum

 

Em mais um excelente exercício de perspicácia, sagacidade e clarividência, a que nos tem, aliás, habituado, a maravilha fatal da nossa idade (e da blogosfera) chamada de Paulo Pinto Mascarenhas fez ontem, após uma investigação profunda e de seriedade incontestável, uma denúncia corajosa e firme, um libelo vibrante e lúcido, contra certas imposições de agenda que impedem a discussão sobre a crise e os problemas sociais que Portugal vive neste momento. Mais precisamente, acusa certos seminários e certos movimentos de desviarem a atenção do que é essencial, numa manobra que só pode estar submetida, servir, interessar e suportar uma única força. Venho aqui, publicamente, prestar o meu integral apoio a tal posição e contribuir, ainda que modestamente, para essa denúncia.

O seminário em questão e o recente Movimento Pela Igualdade têm apenas como objectivo desviar as atenções da opinião pública, segundo a agenda do partido do governo. Nada mais do que isso. Aposto que o S. Jorge estará a esta hora vazio ou, na melhor das hipóteses, com uns quantos militantes e simpatizantes do PS arregimentados por caciques locais (quiçá atraídos por um qualquer carneiro com batatas à moda oitocentista) e engajados em autocarros de câmaras PS para virem a Lisboa bater palmas e votar moções de apoio ao governo disfarçadas de propostas igualitárias. Quem quiser confirmar, que vá lá. Já agora, alguém que fotografe e documente e divulgue e denuncie a agenda que todos eles trarão certamente debaixo do braço, uns de forma mais disfarçada, outros de modo mais ostensivo, provocatório e anti-democrático.

É mais uma manobra. E fico admirado como é que nunca, mas nunca, ninguém deu por ela. Foi preciso um blogger particularmente inteligente e arguto para o dizer claramente. Dizer que a colocação do tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo é extemporânea e inconveniente, porque apenas serve o governo e as suas estratégias e afastam a opinião pública da discussão sobre a crise. Aliás, é evidente que se trata de uma falsa questão. Sendo o casamento uma instituição em crise e em recuo, ninguém me convence que há real interesse, por parte da comunidade gay, em aderir à mesma. Tudo não passa de uma hipocrisia, de mais um ponto na famigerada agenda.

É um flare, um fogacho, um circo mediático (um drag queen show, melhor dizendo) para desviar atenções. Porque o que importa mesmo, e exclusivamente, como acusa de forma veemente o blogger, é proceder a algo que não se tem feito até agora, nunca, em lado nenhum em Portugal: discutir a crise, debater os problemas sociais. Se não houvesse censura, se existisse liberdade de imprensa e de expressão, talvez assim se conseguisse que essa discussão tivesse lugar. Quem vê televisão e lê jornais sabe perfeitamente que é coisa sobre a qual impera um silêncio absoluto, a crise. Ninguém fala dela, ninguém se atreve, porque todos os media têm demasiado terror ou estão demasiado comprometidos com a tal agenda.

Acrescento aqui uns dados que, certamente por modéstia (que não é uma das suas menores qualidades), Paulo Pinto Mascarenhas não menciona. Umas informações que completam um pouco o panorama. E que são as seguintes: não tenho qualquer dúvida de que há outros eventos que são colocados nos cabeçalhos dos jornais e nas aberturas dos serviços informativos com o mesmo propósito. Ninguém me convence de que o Primeiro-Ministro não manobrou, pressionou, e chantageou a União Europeia para que as eleições para o Parlamento Europeu se realizassem agora; ninguém me tira da ideia de que não eram precisas eleições autárquicas e legislativas este ano; ninguém me consegue demover de que os testes nucleares da Coreia do Norte foram agendados para esta precisa ocasião em sintonia e acordo prévio com o PS; que os preços do petróleo subiram bruscamente nos últimos dias só depois de a OPEP ter recebido um telefonema de um boy socialista; e, finalmente, que o recente recrudescimento dos combates na zona ocidental do Afeganistão tenha tudo a ver com as conveniências de José Sócrates. E estou seguro de que, se nos próximos dias houver nova atenção mediática sobre a menina Alexandra, será porque a mãe dela é militante do PS e recebe periodicamente ordens do Rato para espancar a filha em frente das câmaras. E que o dia em que Margarida Meneses for ao ginecologista, com cobertura televisiva, será escolhido não por ela, mas pela distrital do PS. E parece-me claro como água que muito pouco do que se discutiu, discute e discutirá na blogosfera está isento da acção da mãozinha papuda socialista.

Por fim, digo que o ilustre jornalista do i tem toda a razão quando fala da necessidade de discussão da crise e dos problemas sociais que preocupam as pessoas. Porque o que é preciso mesmo é isso, é ter a coragem de discutir. Lutar contra a crise, agir, trabalhar, são conceitos distantes, demasiado distantes. Logo que estiver discutida, se pensará nisso. E depois de se pensar nisso, e depois, enfim, de lá se fazer alguma coisinha,  e logo que a crise esteja sanada e ultrapassada, então é que se poderá eventualmente pensar em agendar coisas como a homossexualidade na PSP ou casamento entre pessoas do mesmo sexo. Até lá, adia-se, adie-se. Até quando? Cito aqui Pimentel dos Santos, aquele Governador Geral de Moçambique que, em 1973, disse categoricamente e com perspicaz sentido premonitório, quando interrogado acerca do tempo que os portugueses ficariam por lá: "forever!".

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media