Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Resposta ao Miguel do Insurgente

Miguel,

 

Os méritos ou deméritos do investimento em energias renováveis não podem ser julgados pelos postos de trabalho que desapareceram no período, porque a verdadeira questão é saber se esses empregos teriam desaparecido, mesmo sem a aposta na tal "bolha verde". E mesmo que tal tenha acontecido, o desemprego friccional deve ser visto como um dos males inevitáveis da modernização de uma economia, e pensar a renovação das economias, um argumento central na defesa de um estado empreendedor. Quando desapareceu a indústria das carruagens, ninguém se lembrou de criticar o empreendedor que inventou o carro.

No entanto, por detrás da banalizada expressão bolha, está um sentido pejorativo que tenta subestimar a aposta em energias limpas. Discutir a importância desta tendência é, pois , muito relevante. 

Em tempos também se associou a palavra bolha à internet, muito por investimentos excessivos por parte de privados (sim, eles também cometem excessos e não só na crise financeira) e por uma desvalorização do risco associado a negócios suportados nesta tecnologia. No entanto, a internet é hoje uma aposta central em (quase) todas as propostas de investimento e em (quase) todas as políticas públicas. Quer isto dizer que todas as novidades têm o seu estágio de maturidade. E, por estarmos hoje a corrigir os incentivos dados à construção de capacidade em energias renováveis, não significa que estamos a desqualificar a aposta, apenas que a escala do mercado e o estágio de desenvolvimento dessa tecnologia já não exigem prémios de risco tão elevados.  

A defesa de um estado empreendedor

A ideia de um estado empreendedor não se esgota na alocação de recursos públicos para grandes obras públicas. Por detrás de um projecto como o novo aeroporto ou como o TGV está uma visão para o futuro de Portugal. E é o futuro que interessa discutir.

A forma como vemos um país e a sua capacidade produtiva não acaba nas limitações e constrangimentos da nossa realidade. É possível, diria mesmo obrigatório, percebermos o país a médio e longo prazo. Como poderemos preparar Portugal? O que é que o Estado pode fazer pelas próximas gerações?

Esta crise  obriga o Estado a um papel de maior intervenção, enquanto a poupança privada sobe, exigem-se maiores consumos (investimento) públicos, e é razoável que o Estado co-participe em investimentos que, pela sua dimensão, só sejam possíveis com o envolvimento do Estado. No entanto, o futuro não é só o TGV, nem a plataforma logística de Sines, nem o novo aeroporto, nem a auto-estrada para Bragança. É possível começar a preparar Portugal com medidas que não envolvem muitos recursos, apenas compromisso, visão e liderança.

Espanha foi um dos países pioneiros na energia eólica. Muitos acharam louca a aposta nas energias renováveis, especialmente vento, como parte fundamental do sistema de geração de energia. No entanto, com esta medida, e em boa parte por se ter antecipado a uma tendência que parece hoje inevitável, criou condições para empresas Espanholas apostarem no desenvolvimento desta tecnologia. Hoje, uma das maiores produtoras de motores de energia eólica é Espanhola. Os EUA, que chegaram tarde a esta festa, dependem, em parte, da capacidade de uma empresa Espanhola para concretizarem a sua aposta em energias renováveis. Nos EUA o tema foi discutido durante anos, com os lobbies das diferentes tecnologias e a oposição dos Republicanos a conseguirem protelar a decisão. Quem ganhou foram os Espanhois. Quem fez a aposta, o Estado Espanhol.

Tudo isto para falar de carros eléctricos. Muitos dizem que esta tecnologia é experimental e que implicará consumos excessivos de energia ao qual hoje não podemos responder. Não sendo um entendido, apenas um curioso, vejo neste tipo de argumentos a capacidade para um país como Portugal se antecipar e, com essa antecipação, assegurar uma participação na construção e desenvolvimento dessa alternativa. A visão de um país com consumos mínimos de combustíveis fósseis, teria um impacto significativo na grande maioria dos indicadores de contabilidade nacional com que o grupo dos 28 tanto se assusta, e a vantagem de propor uma alternativa de crescimento à economia Portuguesa.   

 

(publicado também aqui)

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media