Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

amnésia colonial

Há anos, existia um blogue cujo lema era "aqui não se diz mal de Portugal". A recente discussão pública sobre a abolição do tráfico de escravos, desencadeada pelas declarações do Presidente da República no Senegal, corre o risco de resvalar para a tentação de reduzir tudo ao dizer bem ou dizer mal de Portugal, mais especificamente, do passado ultramarino português. É um risco. Mas é importante que se faça, ainda assim, porque a nossa memória coletiva dos contactos com o mundo extraeuropeu permanece um terreno de silêncios, omissões e amnésias, minado por conotações ideológicas e perceções enviesadas das realidades históricas.

Disse "ultramarino"? Bum! Já pisei a primeira mina. As próprias palavras, termos e conceitos utilizados para definir e caracterizar a nossa história colonial queimam dedos e escaldam neurónios. Escrevi "colonial"? Bum! Lá foi outra. As fogueiras em que ardem são de teor diverso, acopladas geralmente - e de forma grosseira - à "direita" ou à "esquerda" e que têm em comum a projeção das preocupações e tensões do presente no passado do império português. Disse "império"? Ai!

O debate sobre o tráfico de escravos e, de um modo geral, sobre a história da expansão portuguesa já foi feito e continua a fazer-se, mas limitado aos círculos estreitos e pouco porosos da academia. Não é esse que é urgente; é outro, o que envolve a opinião pública. E porque é que é importante? Porque nunca foi feito. A principal razão decorre da ausência de uma tradição de divulgação histórica entre nós, com origem no divórcio entre o mundo académico e o público leigo. Isto tem permitido a proliferação de informação deficiente, parcial e simplista, quando não simplesmente errada, que se traduz em evocações mais ou menos confortáveis e comodistas de figuras ou eventos, um disfarce para uma relação traumática, difícil e amnésica com o passado.

As palavras de Marcelo não contêm apenas erros, não são apenas declarações desajeitadas e diplomaticamente inconvenientes. Já seriam razoavelmente graves se proferidas por cá; ditas ali, aproximam-se perigosamente do insulto, quando o tema do tráfico de escravos permanece uma ferida mal sarada no quadro identitário dos povos africanos e um foco de desconforto no relacionamento com os ex-colonizadores. Ninguém esperava - nem tal parece sensato - lamentos ou pedidos de desculpa. Mas um mínimo de respeito obrigava ao reconhecimento de um passado lesivo e doloroso, em vez de um discurso apologético sobre alegados méritos próprios. As suas palavras, curiosamente, são a expressão e a confluência da amnésia nacional sobre o passado além-fronteiras, que oculta os odores desagradáveis dos seus esconsos com um humanismo precoce e uma suavidade cosmopolita típicos da especificidade portuguesa. Espera-se que o debate que desencadeou seja extenso, aberto e frutífero. Sobre a escravatura, sim, mas não só, porque esta não é mais do que a ponta de um enorme icebergue da memória coletiva sobre o nosso passado colonial.

Historiador

(publicado no DN de anteontem)

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media