Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Daesh, ou chamar as bestas pelos nomes

Em 1576, Pero Magalhães de Gândavo dizia, no que é considerada a primeira História do Brasil (História da Província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil), que deveria chamar-se àquela terra Santa Cruz e não Brasil porque se tratava do nome original com que os portugueses a haviam batizado, porque era um nome elevado e grandioso, ao contrário da desprezível designação da madeira vermelha e, finalmente, "para que magoemos ao Demónio". Passaram mais de quatro séculos e já não passa pela cabeça de ninguém usar argumentos ideológico-religiosos deste tipo para justificar uma designação, mas os nomes continuam a ter uma importância fundamental. Numa era de difusão acelerada da informação, a forma como nos referimos a qualquer coisa, uma terra, um país, um estado, um movimento, não pode ser minimizada.

Os membros do grupo armado que desde há meses avança pelo norte do Iraque e da Síria autointitulam-se "mujahidin" ("combatentes" do jihad) e à sua formação "al-Dawla" ("o Estado"), embora reclamem algo de mais amplo, o "califado". A imprensa internacional, como não sabia como lhes chamar, adotou a forma ISIS, ISIL ou apenas IS (de "islamic state") e, em Portugal, "Estado Islâmico". Muito bem. Podemos começar por aqui: em primeiro lugar, aquilo não é um Estado, é um bando armado que controla um território pela força das armas e domina populações pelo terror e por atrocidades cometidas contra quem quer que não se submeta às suas ordens. Segundo, não é Islâmico; age em nome de uma religião, o que é uma coisa bem diferente. E ofensiva, sobretudo para quem a professa. Vejamos: o que diriam os católicos, aqueles que seguem a versão romana da fé em Cristo e rejubilam com o Papa Francisco, se algures no mundo alguma entidade praticasse um semelhante nível de intolerância e de brutalidade e se intitulasse "Estado Católico"? Logo, aquilo merece repulsa universal, mas o seu combate, na primeira linha, pertence aos que são involuntariamente colocados no mesmo barco. Not in my name, proclamaram alguns muçulmanos, infelizmente poucos, há algumas semanas.

Poucos? Não estou certo se foram poucos. Sei, sim, que o seu eco na imprensa internacional foi modesto. Não importa, para já. Importa, sim, é a forma como devemos designar aquilo. Uma das regras elementares da luta contra um inimigo é rejeitar tratá-lo da forma que ele deseja. Pois todos nós estamos há semanas, há meses a favorecer aquilo, ao espalhar e divulgar, de forma global, os termos pelo qual deseja ser tratado e pelo qual ficará certamente na História: Estado Islâmico. Se se autoapelidasse, sei lá, Paraíso Terrestre, presumo (mas não estou seguro) que pensaríamos duas vezes antes de reproduzir tal epíteto.

Então, o que chamar àquilo? Ocorrem-me imediatamente várias hipóteses, que prefiro não reproduzir. Apego-me a uma: Daish ou Daesh. E porquê? Por duas razões: a primeira é que motherfucker é pouco suscetível de figurar nos noticiários internacionais; a segunda é que os seus membros nunca disseram que não queria ser assim tratados. Mas sobre Daesh, sim. Aliás, os franceses já disseram que é assim que vão passar a chamá-lo, ao pseudo-Estado Islâmico. É um acrónimo, é ofensivo, e eles já condenaram a sua utilização. É quanto me basta. (Ler aqui, aqui ou aqui para mais explicações, sff).

22 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • f.

    olá. pode usar o endereço fernandacanciodn@gmail.c...

  • Anónimo

    Cara Fernanda Câncio, boa tarde.Poderia ter a gent...

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media