Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Descubra as diferenças (final)

W. Clode, médico contemporâneo de Gentil Martins, publicou na Revista da Ordem dos Médicos (ROM) um artigo onde comparou a homossexualidade ao daltonismo. Reagi assim, na ROM, pedindo responsabilidades à publicação médica - não se tratava de um órgão de comunicação social generalista, Clode não estava a dar uma entrevista de vida, no IPO, Clode não era um decano da medicina nacional. Mais, Clode não era reincidente.

 

Quanto a Gentil Martins, aqui decidi não tomar conhecimento e aqui optei pela ridicularização. Desta vez, porque achei que os dislates clínicos e deontológicos já ultrapassavam o razoável, pelo conjunto de razões que já aqui referi e porque me pareceu que a convicção de impunidade era absoluta e insustentável, mal li a sua entrevista ao Expresso da semana passada pedi a atenção da OM e em especial  do bastonário ("linquei" Miguel Guimarães num post que coloquei num grupo fechado a médicos, no FB). Nada que a OM não tivesse feito recentemente com outros clínicos – aqui e aqui, por exemplo.

 

PS:Já tendo apelado à deontologia de outras classes profissionais, e à sua Ordem, estranho seria não o fazer agora, a bem da minha coerência.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Filipe Gomes 04.08.2017

    Algumas observações avulsas sobre o seu comentário:

    (1) "A homossexualidade saiu da lista de doenças por mera votação entre especialistas. Não houve qualquer descoberta através de uma análise ou uma qualquer demonstração cabal."

    Uma votação entre especialistas não é feita num vácuo. Sendo especialistas, é de esperar que uma sua parte significativa esteja a par dos estudos feitos sobre o assunto. A votação a que aludiu foi feita em 1973; os especialistas da American Psychiatric Association tinham pelo menos vinte anos de estudos em que se basear para formar uma posição cientificamente informada, levados a cabo por Kinsey, Hooker, Armon, entre outros.

    Ao fazer referência ao processo que levou à remoção da homossexualidade do DSM como uma "mera votação entre especialistas", está a menorizar injustificadamente o valor das posições científicas desses especialistas. Para além disso, apesar de o processo ter culminado com uma votação, esta foi precedida de uma revisão da literatura pertinente. Pode ler mais sobre o assunto nas primeiras secções do segundo capítulo deste documento: https://www.apa.org/pi/lgbt/resources/therapeutic-response.pdf

    (2) "O que sei - isso é certo - é que a criação de dogmas na ciência é a antítese da própria ciência."

    Concordo em absoluto. Neste caso, não se trata de um dogma. Trata-se do entendimento científico sobre esta matéria, que pode ser considerado bastante consensual. Há um ponto a partir do qual as teorias científicas se consolidam suficientemente para que deixe de fazer sentido tentar substituí-las por outras que as contradigam de forma fundamental. Por exemplo, a teoria da evolução por selecção natural não é um dogma (o método científico não permitiria considerá-la como tal), mas é suficientemente sólida para que a possamos tratar como um facto assente, para todos os propósitos práticos. A matéria em discussão é mais escorregadia que a teoria da evolução, em certo sentido, mas é suficientemente consensual para que a discussão sobre ela tenha de se basear no entendimento científico que temos actualmente.

    (3) "Querer estabelecer um dogma nesta matéria, proibindo quem discordar e tiver uma opinião diferente, é a maior demonstração da fragilidade da tese de que não se trata de uma doença. Mais: é a demonstração clara de que há uma agenda ideológica por trás do assunto."

    Imagine a seguinte situação: um médico dá uma entrevista na qual refere que as terapêuticas convencionais de tratamento do cancro são um embuste. Esta afirmação não só é cientificamente errada como é perigosa; pode pôr em risco a saúde de quem a leia e seja por ela influenciado, tomando-a como uma verdade médica e científica.

    A situação que ocorreu com o Dr. Gentil Martins não é assim tão distinta. Afirmar que a homossexualidade é um distúrbio de personalidade, ou uma doença psicológica é uma afirmação cientificamente errada e potencialmente perigosa para a saúde mental de quem a leia, pelas mesmas razões que apontei no exemplo que dei acima.

    O Dr. Gentil Martins tem uma responsabilidade moral e deontológica (tal como previsto no código deontológico da Ordem dos Médicos) de guiar as suas afirmações pela evidência científica disponível. É o Dr. Gentil Martins que, nesta situação, interpreta a evidência científica como lhe convém, dobrando-a e distorcendo-a de modo a que esta caiba dentro da sua concepção enviesada desta questão.

    Não se trata, como o Pinto quer fazer parecer, de um ataque à liberdade de expressão ou a qualquer outra liberdade. Trata-se de dar a uma opinião o valor que ela tem em termos científicos (pouco ou nenhum) e agir em conformidade perante afirmações que estão em oposição à ciência, à ética e à deontologia. Isto é uma discussão científica, é a nível científico que deve ser feita.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Arquivo

    Isabel Moreira

    Ana Vidigal
    Irene Pimentel
    Miguel Vale de Almeida

    Rogério da Costa Pereira

    Rui Herbon


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Comentários recentes

    • Fazem me rir

      So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

    • Anónimo

      Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

    • Anónimo

      Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

    • Anónimo

      "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

    • Anónimo

      apos moderaçao do meu comentario reitero

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D

    Links

    blogs

    media