Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Dos internamentos compulsivos - pegando numa reportagem

Começando pelo fim. Quando um jornalista vai fazer uma reportagem sobre um qualquer tema tem obrigação de se informar, muito bem informado, sobre o dito tema. Neste caso imaginava eu que a primeira coisa a ter sido feita era estudar a Lei de Saúde Mental, onde os internamentos compulsivos estão referidos. Ora alguém que escreve "Não foi porém a avaliação de médicos independentes que trouxe algum descanso, mas sim o reconhecimento da justiça de que afinal não estava louco" não pode ter lido, nem se ter informado minimamente, sobre o processo geral de um internamento compulsivo nem da passagem do regime de internamento compulsivo para o de tratamento ambulatório compulsivo. Para que fique claro, a decisão judicial é tomada com base na informação clínica que o tribunal solicita, e recebe, sobre a evolução do caso - naquilo que na gíria chamamos a avaliação bimensal de um processo de tratamento ambulatório compulsivo -, donde nunca é a justiça a determinar quem está, ou não, "louco".

 

Dito isto, sem conhecer o caso concreto e sendo eu muito crítica do uso indevido deste articulado legal, arrisco a afirmar que o jornalista não se preocupou em saber o tempo médio de um internamento numa unidade psiquiátrica de doentes agudos, caso contrário teria percebido que 71 dias de internamento foge largamente à média, quer se trate de um internamento compulsivo ou não, e que só acontece em situações particulares e complicadas. Ora terão de me convencer que numa estrutura psiquiátrica com inúmeros psiquiatras, onde os casos clínicos são obrigatoriamente discutidos, não haveria ninguém a questionar não só a justificação clínica da manutenção da compulsividade do internamento como a sua longa duração.

 

(Faço aqui um parêntesis para deixar um comentário a este outro texto, também do i e sobre o mesmo assunto. A serem correctas e não descontextualizadas as citações do director clínico do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa, merecem-me um reparo público pela sua leviandade, sobretudo tendo em conta que a clínica que determinou, em contexto de urgência, o internamento compulsivo pertence à sua instituição.

Para não ir mais longe na observação fico-me pelos aspectos menos relevantes humana e clinicamente, apenas me detendo nas questões  "economicistas". Ora sabendo, como eu, que quem dirige o serviço de psiquiatria do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental é um homem muito implicado nas políticas de Saúde Mental e na gestão de serviços de saúde psiquiátricos, como é que o primeiro pensamento de Salgado não foi "hummm, 71 dias de internamento?, como é que o Caldas de Almeida permitiria este isto sem razão?".).

 

Que se fazem muitos internamentos compulsivos que não estão de acordo com aquilo que esteve na base da criação desta lei - a salvaguarda do próprio e de terceiros tendo em conta os possíveis danos que a falta de consciência mórbida determina no comportamento do doente - não tenho dúvidas. E desse ponto de vista percebo este post do Vitor Cunha. Concordo com algumas das questões levantadas, ainda que discorde da maioria dos argumentos ali referidos. Como escreveu uma amiga e excelente psiquiatra numa trocas de mails onde discutíamos o assunto  "Eu acho que a realidade tem muitas mais dificuldades do que as expressas no texto do Vitor Cunha e não concordo com a sua argumentação, embora tenha razão quanto à discussão que é necessário fazer.

 

Respondendo ao texto, eu diria que "internamos pessoas compulsivamente para lhes proporcionar o melhor tratamento" em situações em que só isso evitará "dano pessoal de monta para o próprio ou terceiros". Segundo a minha leitura, o desacordo dele estará nos critérios para considerar que existe "dano pessoal ou patrimonial de monta para o próprio ou terceiros". Então quando é que devemos considerar que existe "dano pessoal ou patrimonial de monta para o próprio ou terceiros" e aceitamos o internamento compulsivo? Apenas quando o doente está agudamente doente, obviamente delirante, agitado e a destruir tudo à sua volta? Ou também quando existe um quadro insidioso, em que, pela via da ausência de insight, ocorrerá "dano pessoal de monta para o próprio ou terceiros"? Este é um dilema que vivemos na prática clínica. Na grande maioria dos casos só atuamos no primeiro caso, mas na minha equipa, por exemplo, que também visita e acompanha no domicílio (ou seja, não se limita a aperceber-se da situação num contexto de urgência, mas já fez tentativas de intervenção e de avaliação), já decidimos intervir perante casos do segundo grupo, talvez "impingindo coercivamente a quem quer que seja, só porque um serviço acha que é melhor para o indivíduo em questão." Até agora, com bons resultados para as pessoas doentes. Em ambas as situações estão a ser "retirados direitos básicos às pessoas, nomeadamente o direito de não ser tratado", mas no atual momento da vida em sociedade decidimos que isso faria sentido. 
 
E aqui começa outra discussão. É importante discutir a lei de saúde mental não só em relação à sua aplicação (haverá muitos abusos pelo país fora), mas também à sua própria natureza. Por esse mundo fora são cada vez mais fortes os movimentos de utentes que contestam a existência desta figura legal, alegando que as pessoas devem ser completamente livres de optar por não se tratarem, mesmo quando essa decisão é afetada pela ausência de crítica. É esta a discussão que me parece importante que comecemos a fazer, que o Vitor Cunha acaba por tocar ao de leve e que sai prejudicada de todo este episódio mediático.".
 
De tudo o que li sobre o assunto, e mais uma vez reassumindo que apenas conheço o caso pela imprensa, arrisco a assinar de cruz um bom resumo desta novela, feito por outro amigo também psiquiatra, "Este episódio parece-me um vergonhoso momento de anti-psiquiatria, alimentado por um doente paranóide, um advogado idiota e alguns psiquiatras imprudentes.".

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media