Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Emigrantes e participação cívica, uma maratona cheia de obstáculos

Recenseamento de cidadãos portugueses que vivem fora do país é tudo menos simples. Não só obriga a deslocações aos consulados - frequentemente a umas quantas centenas de quilómetros da residência - como, chegados lá, deparam-se com informações erradas que irão ter como consequência a impossibilidade de poder votar nas próximas legislativas. Leia-se, por exemplo, esta notícia de ontem no DN. Ontem também, e usando como mote um mail do Jorge Pinto, o David escreveu, no 365 Forte, um post sobre esta temática partindo da epopeia do Luís Valente, emigrante na Alemanha. Esta epopeia teve hoje o seu epílogo, dou a palavra ao protagonista: 

 

Emigrei. Passado tempo suficiente para ter certezas que quero ficar na Alemanha por agora e após ter uma residência mais permanente decidi mudar a morada oficial para a Alemanha. Tudo correu bem na Conservatória de Oeiras: passado umas semanas, já na Alemanha, recebo a devida carta (é enviada pelos serviços para confirmar que realmente lá moro). Na vez seguinte que me desloquei a Portugal confirmei a mudança de morada, já com a dita carta. Até aqui tudo bem.

 

Perguntei como se procedia em relação ao recenseamento e foi-me dito que “achavam” que era automático, mesmo quando a mudança ocorria para fora do país. Fui ler (uma parte) da lei: não é. Assumi que, uma vez que o registo não era alterado automaticamente, que iria manter-me recenseado em Portugal e que por enquanto podia ir lá votar.

 

Este fim de semana lembrei-me de confirmar online o meu recenseamento (https://www.recenseamento.mai.gov.pt/). O meu registo tinha desaparecido sem qualquer aviso! Não estava nem na minha freguesia anterior nem no Consulado de Estugarda...

Percebi então que tinha de me recensear novamente e com urgência, pelo que liguei para o Consulado onde me informaram que tinha mesmo de me deslocar a Estugarda.

 

Acabei por me conseguir recensear hoje após 120km de comboio (outro tanto para regressar), uma manhã inteira e alguma sorte. Por duas vezes me chamaram e me disseram "já não vai a tempo, as eleições são já em breve", ao que respondi que estavam erradas. Admitiram, um bocado embaraçadas, que se enganaram a contar os 60 dias legalmente previstos até à data das eleições nos  quais o recenseamento não pode ser feito (acredito que tenha sido mesmo apenas lapso – que, no entanto, não devia acontecer).

 

Tive então de esperar duas horas desde que fui atendido pela primeira vez. Isto porque a única pessoa que sabia como escrever o documento que necessito para ser candidato pelo LIVRE/TdA (além do recenseamento preciso de uma certidão muito simples para esse efeito) era um senhor reformado (muito prestável e aparentemente muito competente), que vai lá ajudar (!) todos os dias das 11 às 15 horas. Quando perguntei a uma das funcionárias o que fariam se ele lá não estivesse foi-me respondido: "não sei, talvez tivesse de lhe pedir para ir a Dusseldorf" (400 km de Estugarda)...

 

Não está em causa a dedicação ou profissionalismo de funcionários ou do Cônsul, não tenho informações suficientes para avaliar isso. De facto, durante o tempo que lá estive o consulado até me pareceu bem organizado e focado no atendimento, que foi inevitavelmente lento: pelo que me disseram, os funcionários que vão saindo não são substituídos por novos. Para agravar a situação o Consulado de Frankfurt fechou em 2011. Assim, em Estugarda concentra-se muita gente a recorrer aos serviços que dependem de apenas 3 funcionários.

 

Não sei se todos estes muros que descrevi são propositados ou fruto de negligências sucessivas. Sei que tenho a sorte de poder optar por gastar o tempo e o dinheiro a que me obrigaram para ultrapassar estes obstáculos. E novo obstáculo virá em Janeiro, quando terei de fazer novos 120 km para cada lado para votar nas Presidenciais - o voto por correspondência não está previsto nem para as Presidenciais nem para as Europeias.

 

O nosso atual Presidente da República menciona com regularidade a importância da diáspora e como Portugal deve “aproveitá-la” (http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3602398). Pois bem, a diáspora não é apenas influência nem as remessas. As dificuldades desnecessárias que o próprio país de origem coloca no caminho de quem sai, na maioria das vezes por necessidade, são inaceitáveis e demonstram o desfasamento entre as palavras bonitas (a importância de manter ligação às comunidades) e a realidade (em que tudo é feito para dificultar o acesso do cidadãos portugueses residentes no estrangeiro aos seus direitos enquanto eleitores ou candidatos a serem eleitos).

 

Luís Valente

 

 

2 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media