Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Entrada de leão - texto de Tiago Antunes

Todos sabemos bem como este Governo, que transpira incompetência, é no entanto um mestre da novilíngua, demonstrando altíssima criatividade e performance na manipulação vocabular. “Irrevogável” passou a ser irrelevante. “Alívio fiscal” passou a ser mais do mesmo. Pois bem, entre ontem e hoje, “vinculativo” passou a ser indicativo e “sucesso” passou a ser derrota. Senão, vejamos.

 

Ontem, Passos Coelho chegou ao Conselho Europeu, de peito feito, a ameaçar que vetaria as conclusões, em matéria de política climática e energética, se elas não contemplassem metas vinculativas quanto às interconexões elétricas entre a Península Ibérica e o resto da Europa. A verdade, porém, é que as conclusões acabaram por não contemplar tais metas vinculativas. E, contudo, Portugal não vetou. Apesar disso, revelando que não há limites para o descaramento, hoje o Primeiro-Ministro veio cantar vitória.

 

Vale a pena seguir os acontecimentos através do próprio site do Governo. Nem sequer é preciso ir mais longe para constatar a contradição. Anteontem dizia-se aí o seguinte:

 

«Portugal não subscreverá conclusões do Conselho Europeu sobre as políticas de energia que ignorem a questão das interconexões europeias, afirmou o Primeiro-Ministro na véspera do Conselho Europeu que tem este assunto em agenda, durante uma visita oficial ao Luxemburgo. Numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo após uma reunião de trabalho, Pedro Passos Coelho disse que tinha transmitido ao Primeiro-Ministro Xavier Bettel «as particulares preocupações que Portugal tem quanto à fixação de objetivos vinculativos relativamente às interconexões sobretudo na área da eletricidade e do gás» (realce nosso)

 

Hoje, depois de acordo final NÃO ter contemplado metas vinculativas quanto às interligações elétricas, o site do Governo afirma:

 

«Portugal obteve um excelente resultado» no pacote sobre clima e energia «que se pretendia ambicioso, incluindo a questão das interligações», e que «foi também um excelente desfecho para a União Europeia», afirmou o Primeiro-Ministro na conferência de imprensa no final do Conselho Europeu, em Bruxelas»

 

Portanto, um “excelente resultado” é, afinal de contas, um recuo em toda a linha. Sendo que muitos jornalistas foram atrás deste embuste, propalando o acordo alcançado como um grande feito quando, em bom rigor, o Governo não conseguiu aquilo que queria: que as metas relativas às interligações fossem vinculativas. Pior: não só o Governo não conseguiu o que pretendia, como “meteu a viola no saco” e não utilizou o poder de veto que tinha ameaçado usar.

 

Em suma, uma vez mais o Governo fez figura triste em Bruxelas. É certo que o acordo fala em interligações e até refere metas (10% em 2020 e 15% em 2030). Isto é, para sermos totalmente honestos, positivo para Portugal e deve-se à insistência que o Ministro Jorge Moreira da Silva tem colocado nesta questão. Mas a verdade é que o Governo recuou em toda a linha quanto à vinculatividade das metas – tudo uma “discussão semântica”, como lhe chamou Durão Barroso, para disfarçar, provavelmente inspirado pela proficiência governamental na inovação linguística – e não pode agora branquear esse recuo, apresentando um fracasso (numa questão tão sensível que Portugal tinha até ameaçado usar o poder de veto) como se de uma vitória plena se tratasse.

 

Quem teve grandes vitórias, sim, foi a Polónia e outros Estados-Membros de leste, que obtiveram a possibilidade de continuar a atribuir licenças de emissão gratuitas às suas centrais elétricas até 2030, quando o Direito Europeu prevê claramente que tal tratamento de exceção deveria terminar em 2020. Já Portugal ficou a meio caminho quanto às suas pretensões, não conseguindo fazer vingar o cariz vinculativo das interligações.

 

Por mais que gritem bem alto que foi um sucesso, a verdade é que Portugal voltou para casa com menos do que pretendia. E expôs-se ao ridículo, ameaçando sacar da pistola, mas mantendo-a bem apertada no coldre. Passos Coelho pode até armar-se em rebelde e, para consumo interno, dizer que vai bater o pé; mas, quando chega a Bruxelas, será sempre o menino bem comportado que não levanta a voz, nem faz ondas. Ora, não precisamos de um capacho em Bruxelas, precisamos de alguém que seja consequente e determinado na defesa dos nossos interesses.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media