Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Frase do Dia

Não tenho a certeza. Do dia, claro. Provavelmente, será do ano. Da década. Autor? Um personagem, nosso compatriota, fadado para altos vôos internacionais. Má sorte ter nascido político. Fosse trolha, sapateiro, caixa de supermercado, jardineiro, reformado compulsivo à maioridade, abanador de moscas, caçador de gambozinos ou outra atividade produtiva, teria poupado tal nódoa ao palmarés lusitano. Dá pelo nome de Burrão Duroso. É duroso porque foi MRPP enquanto jovem, quando se insurgia contra o "ensino burguês". Desistiu, mas um antigo camarada é hoje ministro e prosseguiu a sua tarefa, como todos sabemos. Curiosamente, no campo político que ambos ferozmente combatiam nesses tempos. A sua durosidade (vulgo "ruindade de erva daninha") persistente levou-o, entre oportunidades e golpes de sorte, flic flacs à retaguarda e viscosidade a gosto, invectivas contra o "país de tanga" e metamorfoses numa certa espécie piscícola de alto mar, ao trono da Europa. Já o outro nome não necessita de esclarecimento, temos uma década de União Europeia a caminho do colapso para o comprovar.

A sua burrosidade durosa  vem hoje demonstrada na entrevista à Visão. É um monumento de euismo. Medalha no 10 de junho próximo, candidatura ao Prémio Nobel, é o mínimo os mínimos que o personagem merece. Não o reclama porque é modesto, QED. E qual é a tal frase? Ei-la: "nós, nos países do Sul, (...) devemos igualmente fazer uma autocrítica. Fomos, sobretudo, maltratados por quem nos pôs nessa situação, que foram nos nossos governos. Ou como chegou a dívida a tal ponto?". Portanto, apesar de a crise ter sido causada pela desregulação dos mercados e pelas bolhas imobiliárias, pela especulação financeira e pela ganância dos poderosos, apesar do reconhecimento generalizado - infelizmente tardio - da absoluta estupidez que foi a aplicação austeritária em termos claramente punitivos (não esqueçamos a inoculação da ideia de que nós, os gregos, os espanhóis e outras bestas preguiçosas merecemos o que sofremos porque vivemos acima das nossas possibilidades, gastámos o dinheiro alheio em putas e vinho verde e, portanto, tínhamos que pagar o preço para aprendermos), da imposição do garrote orçamental à custa do sofrimento, da vida e das esperanças de muitos milhões, temos que fazer (nós, diz sem pudor este slimmy worm), uma autocrítica e reconhecer que foram os nossos governos os culpados. Deduzo que "nossos governos" signifique "Sócrates", e nunca ele próprio, apesar de ter sido subsecretário de Estado, depois ministro e finalmente primeiro-ministro. E que, quando se anunciou a bomba, não tenha feito discursos tranquilizadores, repetidos tantas vezes por cá por certos comentadores, de que a crise era apenas um ajustamento dos mercados e que nunca chegaria à "economia real" e que, quando ela finalmente estalou, não tenha recomendado aos países do Sul um aumento da dívida para amortecer o choque e absorver o impacto social, recomendação rapidamente varrida para debaixo do tapete quando a Merkel sacou do seu Diktat, fez buuu e ele amochou.

No final, diz que não sabe o que vai fazer agora. A reforma modesta (como se espera de tão grande estadista) a que tem direito não lhe dá descanso nem grandes opções. Uma delas é a área académica, como refere. Parece-me adequado, tanto mais porque me esqueci, no início deste post, do reconhecimento mais óbvio e inevitável: um doutoramento honoris causa, um number one no topo do pódio, secundado por outros dois grandes vultos benfeitores já agraciados pela academia portuguesa, a saber, Ricardo Salgado e Zainal Bava.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media