Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

good morning midnight*

uma das coisas mais difíceis em crescer -- envelhecer talvez seja a expressão correcta -- é aprender que não sabemos o que sentimos. ou, melhor, que sentimos hoje uma coisa e amanhã outra e que qualquer delas é ou pode ser verdade.

 

capricho, disseram-me uma vez: és caprichosa. sou. mas não creio que seja isso, sequer. é mesmo assim. química cerebral, ou corporal, alguma coisa que comi, que comemos (esta é private joke, mesmo se é piada para todos).

 

por exemplo: achamos que amamos alguém e afinal passado algum tempo achamos que não e que se calhar nunca amámos. achamos que odiamos e de repente damos por nós com quase ternura (a mão de monica vitti numa madrugada de antonioni, maternal: perceber isso passados mais de 20 anos sobre ter visto o filme, e saber que a raiva e o desapontamento podem ter essa redenção).

 

mais: achamos que esquecemos e afinal não. ou que não e afinal sim. achamos que não queremos saber e afinal queremos. achamos que não desejamos e afinal. achamos que vamos dormir bem e dormimos mal ou não dormimos de todo. achamos que estávamos preparados e afinal não estávamos. que não ia doer e afinal doeu - ou ao contrário. achamos tanta coisa e enganamo-nos em tanta coisa. como podemos confiar em alguém se nós próprios não somos de confiança? 

 

como no meio disto saber como decidir? como não nos arrependermos a cada passo? como avançar? temos de avançar, não é? (era tão bom que pudessemos simplesmente ficar). como saber o que dizer? como encontrar um fio, um caminho, uma espécie de razão? 

 

não saber e no entanto saber. que tudo acontece exactamente como sabiamos que ia acontecer. que pode ser que tivessemos ainda crianças lido o nosso futuro com a nitidez alucinada de uma profecia. lido, não: ditado, escolhido. 'eu quero ser isto, assim'. ou 'eu vou ser, hei-de ser isso.' sem saber o que escolhemos porque ainda é cedo de mais para percebermos o que quer dizer, e quando soubermos será tarde de mais para recuar, para negar, para fugir. uma mistura de personagens, de paisagens, com uma coisa em comum.

 

está tudo certo, afinal.  

 

* d'après jean rhys

 

5 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media