Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O debate constitucional do Observador - (v) - O constitucionalista em nós

Pelo que fui explicando nos quatro textos anteriores sobre o assunto, é completamente diferente o método que devemos utilizar quando pensamos uma nova Constituição ou quando pensamos numa revisão Constitucional. 

 

Esta premissa repudia a ideia de que uma Constituição deve ser  flexível, isto é, existe uma diferença substantiva e formal entre todo o processo legislativo ordinário e o processo legislativo constitucional. Essa diferença é, quanto a mim, convocada pela importância estruturante de uma Constituição face ao demais conjunto das leis, e deve manifestar-se sobretudo, mais do que por limites materiais, por maiorias qualificadas de aprovação do texto de revisão. 

Esta premissa tem também como consequência que a exigência formal que devemos convocar para um processo de revisão constitucional distingue-se daquela que devemos exigir para um processo constituinte. Uma vez que neste último estamos a criar algo de novo, o espetro de conformação é (quase) ilimitado. Já em revisão constitucional do que se trata é de um processo de consolidação de uma Constituição material com a qual se concorda no essencial. Este é, aliás, o ponto que deve permitir a cada um de nós perceber se pretende uma nova Constituição ou uma revisão, mais ou menos profunda, da Constituição existente: determinar a sua concordância com a matriz material do texto vigente.

 

Pela minha parte, mesmo já sabendo a minha resposta para a reflexão que deixo formulada, faz sentido partilhar os seus fundamentos através do seguinte método: com alguma regularidade devemos reapreciar a estrutura sobre a qual está assente a nossa Constituição, o mesmo é dizer os elementos essenciais do pacto que ela consubstancia. Se ela continuar a expressar os elementos para nós essenciais então tudo o que pode restar é a possibilidade de uma revisão constitucional para afinar esses elementos e outros que sejam acessórios. Se, pelo contrário, em algum momento, nos confrontarmos com uma discrepância entre o que deve estar na Constituição e o que lá está então chegou a hora de pugnarmos por uma nova lei fundamental, cientes de que isso, como deixei sublinhado acima, implica uma exigência política maior: mudar o pacto fundamental que une uma comunidade não se pode fazer de ânimo leve, mesmo que com uma maioria absoluta.

 

Para que possamos utilizar a metodologia que proponho é necessário que apresente a minha estrutura constitucional. Ei-la:

 

1. Um conjunto introdutório (reduzido) de normas que determinem a natureza do Estado enquanto comunidade;

2. Um conjunto de liberdades fundamentais, criadas contra o Estado-poder

3. Um conjunto de normas que estruture e organize o Estado-poder 

4. Um conjunto (reduzido) de normas que indique o sistema de fiscalização e de revisão da Constituição

 

Como se pode perceber, a estrutura que entendo dever apresentar uma Constituição é muito próxima da que possui a Constituição portuguesa de 1976, com a exceção da parte respeitante à Organização Económica.

 

Vejamos agora o que entendo dever ser o essencial de cada um dos blocos identificados acima:

 

1. República, Estado de Direito e Democracia. Estas são as três noções jurídicas que devem constar do primeiro conjunto de normas, às quais se devem juntar por uma questão de rigor técnico e resgate a tentações conjunturais normas respeitantes ao território, cidadania e integração europeia e internacional. Com estes aspetos fica definida a comunidade jurídica-política portuguesa, quer internamente, quer internacionalmente.

Isto significa que, tomando apenas em consideração a atual parte da Constituição denominada Princípios, o essencial mantém-se, embora admitisse simplificações de texto e até revogações de aspetos acessórios.

 

2. As liberdades fundamentais que devem constar da Constituição vão merecer um texto autónomo, dada a complexidade da matéria e que é, para mim, a questão mais politicamente controversa do texto constitucional. De todo o modo devo dizer que a constitucionalização de liberdades e direitos fundamentais assenta num pressuposto político básico: a luta por um Estado social sustentável. Dito isto, sou favorável a todos os modelos de liberdades fundamentais que o Estado possa previsivelmente assegurar. Isto coloca a tónica num ponto normalmente descurado: a constitucionalização de liberdades fundamentais implica tornar o Estado um especialista em planeamento e regulação. Aliás, estas duas funções são mesmo as mais importantes funções do Estado e isso revela-se com grande intensidade no domínio das liberdades e direitos fundamentais: só um Estado que planeia muito bem e que regula ainda melhor é que pode assegurar um conjunto mais ou menos amplo de liberdades fundamentais. Tudo o resto decorre daí, sendo evidentemente importante assegurar que a execução das funções do Estado cumpre o planeado. Ora, entre as funções do Estado está, primariamente, a de assegurar as liberdades fundamentais que os cidadãos constitucionalizaram. Daí a importância de tal processo não ser feito de ânimo leve e de implicar, a partir desse momento, um dever de planeamento sustentável, que deve ser o pólo norteador da atividade do Estado, através de todas as mutações políticas e de consequentes programas.

As liberdades fundamentais têm que ser vistas como o mínimo de todos os programas políticos que o pluralismo de um Estado de Direito democrático contém.

É, pois, fácil de ver que se um partido que não concorda com as liberdades e direitos fundamentais inscritas na Constituição chega ao poder apenas poderá executar todo o seu programa através de uma revisão constitucional. Se chegar ao poder com uma maioria insuficiente para o fazer isso significa que é o seu programa que tem um problema, não o sistema. Foi o partido que foi incapaz de comunicar que o seu programa implicava alterar a Constituição.

 

De tudo o que disse resulta que não tenho nenhum problema de fundo com os direitos e liberdades fundamentais inscritos na Constituição. São possíveis várias precisões técnicas, formais e sistemáticas, que poderiam tornar o catálogo mais seco e legível, sem o fazer perder substância, sobretudo agora que temos mais de 30 anos de jurisprudência constitucional, além de fazer sentido clarificar o regime de proteção dessas liberdades fundamentais.

 

3. Agrada-me o modelo de parlamentarismo racionalizado que temos em Portugal. Nesta medida, mudanças na estrutura do poder para mim apenas fazem sentido para corrigir a perda de primado do Parlamento a que se tem vindo a assistir. Nomeadamente, sou favorável a restringir fortemente o poder legislativo do Governo, a constitucionalizar o seu processo legislativo (o que restasse), a obrigar os membros do Governo a serem deputados, entregar confirmações de membros da Administração Pública a Comissões Parlamentares, abrir o Parlamento a candidaturas independentes, e outras medidas nesta linha. 

O sistema eleitoral também deve permanecer na Constituição quanto à sua estrutura e deve manter um carácter fortemente proporcional, que é ainda o que melhor espelha a realidade socio-política do país.

Quanto ao poder judicial, assegurada a sua independência, tudo o resto deve ser deixado para o legislador ordinário, onde há muito trabalho a fazer.

 

Isto significa que também quanto à parte terceira da atual Constituição não teria muito a mudar. 

 

4. A premissa que indiquei anteriormente justifica a última parte da Constituição que prefiro. Defendendo a rigidez constitucional através de uma maioria qualificada de aprovação este seria o lugar para o prever. Quanto à proteção da Constituição parece-me que só o sistema de fiscalização concreta deve ser melhorado.

 

Isto significa que em relação à atual parte quarta da Constituição quase tudo ficaria na mesma, com a exceção dos limites materiais que poderiam ser eliminados, embora em boa verdade, face ao que deixo dito acima apenas as alíneas f) e g) do atual artigo 288.º fossem atacadas pela minha visão constitucional.

 

Apresentado o quadro a partir do qual olho para a possibilidade de qualquer revisão constitucional no próximo texto irei analisar a proposta subscrita pelo Observador. 

Se há coisa para que deve servir um debate constitucional é para nos obrigar a reflectir sobre um modelo de Constituição - sem qualquer noção técnica - e para a confrontarmos com outras reflexões idênticas. Só assim estaremos habilitados a escrutinar as dos partidos quando o momento chegar e tivermos que escolher. 

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media