Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O Islão, nós e eles

A prestação televisiva da Marisa Moura no último dia de 2014 é um bom exemplo daquele ridículo que deixa um travo amargo. Passado o riso e a chacota à conta da cascata de disparates, segue-se a ressaca. Mais do que uma mera aparição infeliz e desajeitada, o episódio revela algo muito mais profundo, a vários níveis: a) a nesciência palerma e arrogante de quem vai à televisão escudada atrás do estatuto de jornalista e não se preocupa em preparar-se minimamente para a tarefa; b) o nível zero de exigência por parte de quem coordena o espaço informativo e de quem conduziu a entrevista; c) o baixo nível de crítica do público, já anestesiado pela banalidade televisiva que constituem os disparates de comentadores.

Mais grave ainda: falar de política, comentar a crise, as medidas do governo ou as manobras da oposição é algo que oferece, digamos, um notável grau de "clareza": qualquer espetador está mandatado, enquanto cidadão, para concordar ou discordar e para emitir a sua opinião e dispõe de ampla informação, porque se trata de realidades que a todos afetam. Agora sobre o Islão, "essa coisa do outro mundo", como diz a Safaa Dib? Não se exigiria um mínimo de cuidado pedagógico a uma jornalista - que, ironicamente, mencionou precisamente o desconhecimento que existe por cá acerca de tudo o que envolve esta temática, sem se aperceber de como contribuiu para aumentar essa ignorância - ?

Em Portugal, Islão significa várias coisas, todas estereotipadas e negativas: intolerância, mutilação genital feminina, terrorismo, atentados, 11 de setembro, barbudos, guerra, burqas, "Estado Islâmico", atrocidades. Ponto final. Talvez fosse bom começar por dizer que é uma religião, em tudo idêntica ao cristianismo e ao judaísmo (que respeita e que se assume, aliás, como continuador). Idêntica? Sim. O mesmo Deus (único), a mesma origem geográfica, a mesma conceção do Homem, do tempo e da verdade "revelada", a mesma visão do mundo, da realidade material e espiritual, o mesmo substrato civilizacional e cultural: o Médio Oriente e o Mediterrâneo. Quem conhece o hinduísmo ou o budismo sabe do que falo. Diferenças? sim, de pormenor, no culto, na teologia, nos dogmas, na prática do quotidiano. Arestas de um tronco comum. Um pinheiro e um carvalho são muito diferentes? Depende se olharmos para cada um ou para o espaço de uma floresta e o compararmos com uma savana.

O que há, sim, são sobretudo tensões históricas, ligadas à turbulência das sociedades humanas. Uma Europa cristã que cresceu no interior de um império já existente (o romano), um Islão que, pelo contrário, nasceu do nada e expandiu-se, naturalmente à custa dos vizinhos. O resto, o longo conflito entre os dois blocos, resultou do facto de ambas as religiões serem exclusivistas, ou seja, proclamarem a sua verdade revelada como a única válida. Mas a guerra, que eu saiba, não surgiu com o nascimento de Cristo ou com a Hégira.

Uma das ideias mais enraizadas que por cá existe acerca do Islão é o seu alegado monolitismo. Já se sabe, não há frase racista mais típica do que dizer "os pretos [ou chineses, ou quaisquer outros] são todos iguais". Aqui é um pouco o mesmo. Como ninguém conhece nada do Islão, porque temos uma pequena e (demasiado, a meu ver) discreta comunidade muçulmana e porque o que sabemos é aquilo que nos entra pelos olhos adentro pelas televisões, sempre pelos piores motivos, também eles "são todos iguais". Geralmente dividem-se entre "moderados" (aqueles que não levantam a voz aos americanos e ao Ocidente em geral e que vivem lá quietinhos nos seus países, atrasados e cheios de inveja) e os "radicais" (os que destilam ódio a tudo o que mexe). Saddam, por exemplo, era "moderado" enquanto bateu nos ayatollahs iranianos; depois passou a "radical", com temíveis armas químicas e tudo; os sauditas eram "radicais" quando causaram a crise de 1973, depois passaram a "moderados", mas desde o 11 de setembro não se sabe bem. A dinastia Assad era "radical" quando alinhava com a URSS e assim se manteve; mas agora, com a explosão do Daesh, se calhar até não. O Khadafi era "radical", depois mataram-lhe a filha e ficou "moderado", não percebo bem porque é que se revoltaram contra ele. Os iranianos, esses, só foram "moderados" quando tiveram um xá, que até era um gentleman civilizado e com maneiras. Depois tomaram o gosto ao radicalismo islâmico e nunca mais se endireitaram. Os palestinianos? coitados, se não tivessem aquela mania de querer a sua terra de volta até que escapavam, também há uns que são "moderados" (os que amocham) e os "radicais" (os outros todos). Estou baralhado, são todos iguais, era mas é acabar com aquela seita toda, certo?

Não há religião mais dividida do que o Islão. A primeira grande cisão é, precisamente, entre sunitas e xiitas, mas em cada um destes dois grandes "ramos" existem muitas divisões, nem sempre claras, nem sempre definidas. Se a este fundo religioso juntarmos o confuso caldo de culturas, línguas, tradições (pré-islâmicas), migrações, conflitos, intervenção europeia, traçado de fronteiras, rivalidades e antagonismos profundos, formação e fragmentação de impérios, Israel e, por fim, petróleo, temos uma pálida ideia do que é o Médio Oriente, o coração do Islão. Nem falo de outras regiões, como o subcontinente indiano ou o mundo malaio-indonésio. Foi também por isso que a prestação televisiva da Marisa Moura foi, sob todos os pontos de vista, lamentável: porque balbuciou umas banalidades, reproduziu o velho estereótipo imbecil (curiosamente muito apregoado pelo Daesh e pela Al-Qaeda) de que tudo se resume a uma revisitação das Cruzadas e porque nem sequer a clássica, fácil, simples e básica divisão entre xiitas e sunitas conseguiu explicar. Pelo contrário, foi profundamente ofensiva para qualquer muçulmano: imagine-se um barbudo qualquer dizer numa televisão árabe que os católicos são os descendentes de Constantino, um daqueles imperadores romanos corruptos e que viviam rodeados de luxo e de ostentação, precisamente o que Jesus Cristo combateu. Seria mais ou menos equivalente. Ah espera, ninguém se admirava, porque nesses países são todos atrasadinhos e tapados, não têm liberdade de imprensa e as televisões vivem controladas pelo radicalismo, não é? Ainda bem que por cá, não.

11 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media