Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O que explica o milagre do emprego é...o emprego público (II)

O anterior post sobre o emprego gerou alguma controvérsia. Alguns não comprenderam o argumento, e outros não quiseram compreendê-lo deliberadamente. Quando digo que o que "explica" o milagre do emprego é o emprego público, não quero com isto dizer que apenas tenha sido criado emprego nas areas de emprego público; claro que houve criação de emprego líquida, seja em variação homóloga, seja em cadeia, noutras áreas do setor privado: por exemplo, "comércio por grosso e retalho"; "atividades de informação e de comunicação"; "atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares".

O ponto fundamental é que, sem o emprego público, não teria havido criação de emprego total - em cadeia -, ou ela teria sido residual, em termos homólogos. Concretamente, sem a contribuição do setor O (Administração Pública, Defesa e Segurança Social Obrigatória), ninguém se atreveria a falar de "milagre do emprego", pela simples razão que sem este setor, o crescimento do emprego total teria sido negativo na variação em cadeia, e residual na variação homóloga (cerca de 5 mil empregos).

   

Esta estimativa da importância do setor público na criação de emprego é, aliás, conservadora. Nas categorias do INE, outros setores têm uma forte presença de emprego público ou para-público: o setor P (educação) e Q (Atividades da saúde humana e apoio social). Por exemplo, se excluirmos do emprego total, para além do setor O, também o setor Q - que cresceu 20,2 mil empregos em termos homólogos, e 16,5 mil em cadeia – então temos isto:

  

Ou seja, sem estes 2 setores total ou predominantemente públicos, a economia teria perdido 15 mil empregos em variação homóloga e 18 mil empregos em cadeia. Onde está o "milagre"?

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media