Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

O sangue e a banalidade do mal

João Miguel Tavares discorre no Público de hoje sobre "sangue, gays e discriminação". Tenta dar um ar científico aos argumentos que apresenta, que diz que não podem ser refutados com "bandeirinhas arco-íris".

Vamos por partes:
- em Espanha não se coloca qualquer questão sobre sexo entre homens no questionário a dadores/as de sangue; não houve qualquer tipo de problema com a recolha de sangue no país vizinho; diz que não foi das bandeirinhas;
- a ideia de que há "grupos de risco" na transmissão do VIH já fez parte da "ciência" que, como sempre, é feita por pessoas, por vezes tão ou mais ignorantes sobre questões sociais como o João Miguel Tavares; entretanto, identificou-se que o que seria relevante seriam os "comportamentos de risco" e é com base nisso que se trabalha a prevenção, ainda que com o lastro pesado da anterior noção de "grupos";
- o João Miguel Tavares continua nos grupos, mas não é o único. O Presidente do IPST, Hélder Trindade, também continua. E pelos vistos o Ministro da Saúde também continua, uma vez que não houve qualquer tipo de tomada de posição que o distancie das afirmações de Trindade no Parlamento, o que só reforça a ideia de que o retrocesso nesta política foi uma orientação do Ministro e do Governo;
- está toda a gente a achar que os testes feitos ao sangue não são suficientes, o que põe em causa a crença na qualidade do sangue recolhido; para quem não perceba esta parte (que não exige ciência particular), as respostas às questões dadas são as respostas que se quiser dar. É evidente que muitos "homens que têm sexo com homens" e muitas outras pessoas já deram sangue sem responder com veracidade a alguma pergunta do questionário. E mais uma notícia: os questionários variam muito de acordo com os pontos de recolha, independentemente das orientações do IPST. Pobre sangue se a sua qualidade dependesse das respostas ao questionário.
- a pergunta "sendo homem, teve sexo com homens?" é ineficaz: o objetivo é triar o sexo anal (desprotegido) mas a pergunta não é incisiva e pressupõe que sexo entre homens envolve necessariamente sexo anal (o que é uma noção de sexo à Bill Clinton) e pressupõe ainda que não há sexo anal de homens com mulheres e de mulheres com mulheres (pronto, já estou a imaginar o João Miguel Tavares, com a sua teoria avançada da pilinha e do pipi, bem como o Hélder Trindade a ficarem confusos nesta parte). 
- se se pretende minimizar os testes de sangue recolhido, reduzindo a recolha com base em questões que façam uma triagem, então convém que essas questões sejam incisivas para não eliminar quem não se quer eliminar e para eliminar quem se quer eliminar. Não, não são. Aparentemente é chocante para a moral vigente fazer uma pergunta sobre "sexo anal" mas não é chocante fazer uma pergunta a eliminar todos os gays;
- e agora as bandeirinhas: mesmo que fosse eficaz, resta saber se seria proporcional: uma questão discriminatória tem um efeito de estigmatização que tem um custo significativo; é obrigação do IPST garantir que ela é necessária e também garantir que não existem formulações alternativas que não sejam estigmatizantes e que atinjam o objetivo; uma vez mais, em Espanha, esse país longínquo, a questão não é colocada e não há problemas com a qualidade do sangue recolhido.
- o problema dos Joões Miguéis Tavares é acharem que não têm preconceitos e que a ciência não é feita por pessoas com preconceitos e pode ser discutida sem pensar em "filosofia, política, direitos de minorias ou sociologia". A mesma ciência que nos atirava para uma patologia mental no início dos anos 90, a mesma ciência que "estabeleceu" diferenças nos cérebros entre homens e mulheres para justificar o sexismo, a mesma ciência que foi à procura de (e encontrou, que encontra sempre quando procura com muita força) diferenças entre "raças". 
- não existem "homens que têm sexo com homens", existem muitos "tipos" de "homens que têm sexo com homens" e sobretudo muitos comportamentos diferentes no "grupo"; não perceber isto é não perceber nada sobre discriminação, sobre gays e sobre sangue; mas isso não impede ninguém de decidir expressar o apoio à discriminação numa coluna de opinião de um diário generalista, que a banalidade do mal nunca precisa de expertise.

6 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media