Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

post só para pessoas do mesmo sexo e diferente: uns lêem, outros co-lêem, faz favor, e depois trocam

chegou ao meu conhecimento uma 'nota de abertura' da rádio renascença, que é, na linguagem da emissora da igreja católica portuguesa, uma nota editorial, da responsabilidade da direcção -- composta por graça franco, pedro leal, raquel abecasis -- ou mesmo, fui informada, do conselho de administração (parece que na rádio renascença os administradores também escrevem editoriais).

 

e diz a nota o seguinte, logo a abrir:

 

'Nos últimos dias, e para justificar a adopção de crianças por pessoas do mesmo sexo – a chamada co-adopção –, têm sido invocados casos particulares e excepcionais.'

 

portanto, para a rádio renascença, há pessoas 'do mesmo sexo'' (que elas próprias, portanto?) e pessoas de sexo diferente (diferente do delas próprias, portanto? deve ser giro e dar jeito, isso de a própria pessoa ter sexo diferente dela própria. há muita gente dessa na renascença? podemos ver fotos? que tal um calendário tipo o dos bombeiros de setúbal?).

 

e portanto para a rádio renascença as pessoas de sexo diferente adoptam crianças; as do mesmo sexo co-adoptam.

 

o estranho é que segundo a renascença as pessoas do mesmo sexo são casos particulares e excepcionais; dir-se-ia que é precisamente o contrário que se verifica, mas vai-se a ver e na igreja católica a maioria das pessoas são de sexo diferente delas próprias e daí o viés da perspectiva.

 

mas a estranheza não acaba aqui: segundo a renascença, toda esta conversa é sobre a lei e o referendo da co-adopção. ora, a última vez que verifiquei, a lei portuguesa permite a adopção (sem 'co-') a pessoas singulares e nada diz sobre serem do mesmo sexo ou de sexo diferente. como, de resto, já agora, nada diz nem pode dizer sobre a respectiva orientação sexual (se dissesse, isso seria inconstitucional, imagine-se, por atentar contra o princípio da igualdade e também contrário à convençãoo europeia dos direitos humanos, como o tribunal europeu dos direitos humanos já fez notar, ao condenar a frança por impedir uma lésbica de adoptar individualmente uma criança).

 

ou seja, a lei portuguesa permite, e há muito, que pessoas singulares, independentemente do sexo (mesmo ou diferente, segundo a terminologia tão peculiar da renascença), adoptem (de adopção plena) crianças. e a lei portuguesa, como os tribunais portuguesas, entrega crianças a casais do mesmo sexo, como de sexo diferente, para que as cuidem. suponho que tudo isto que toda a gente sabe (ou deve saber, porque é público e notório) será uma novidade para a direcção da renascença, que até passa por ser composta por jornalistas, mas, lá está, ninguém é perfeito e estou cá para ajudar.

 

daí que quando a nota de abertura diz 'O que mais importa é saber se, por princípio, uma criança deve ou não deve ser educada por um pai e por uma mãe' a pessoa minimamente informada fica mesmo baralhada. então não querem ver que a rádio renascença começa por falar de categorias de pessoas 'do mesmo sexo' e de 'sexo diferente' e de repente passa para 'um pai e uma mãe'? como é que isto aconteceu? e esse pai e essa mãe são do mesmo sexo ou de sexo diferente? por exemplo, uma mãe do mesmo sexo pode adoptar com um pai de sexo diferente? e a inversa, será possível? e se a mãe for do mesmo sexo e o pai também? tudo isto merece maior estudo, parece-me. até porque, diz a renascença, 'o papel de um pai só pode ser desempenhado por um homem; tal como a maternidade tem características que só uma mulher pode assumir e pôr em prática', sem esclarecer qual o sexo: se o mesmo, se diferente, e sem nos responder a esta questão premente: se a lei em portugal não proibe as famílias monoparentais e até permite adopção singular, isto virá a que propósito exactamente? querem fazer um referendo sobre famílias monoparentais, é isso? querem proibir a adopção singular? descosam-se, vá. 

 

mas nada: a nota abre e fecha sem nos tirar desta inquietação de saber o que raio a move. diz a conclusão: 'Não se trata de discriminar ninguém pelas respectivas inclinações sexuais; trata-se apenas de reconhecer e identificar a natureza e de a aceitar, como ela é e será. Por mais que num momento da história tudo se faça para a desmentir e contrariar.' ora a natureza, como é e será, isto tem o quê a ver com adopção, mesmo? adopção não será exactamente resolver o que a 'a natureza' não resolve, tipo, adoptar crianças órfãs ou que a família biológica rejeitou? é que ia jurar. como ia jurar -- aliás juro -- que a co-adopção não é, como escreve a direcção editorial, portanto jornalística, da rádio renascença, 'a adopção das pessoas do mesmo sexo'; é mesmo a adopção por parte de um membro de um casal constituído do filho (biológico ou adoptado) do outro membro do casal. a co-adopção pode acontecer num casal de pessoas de sexo diferente e num casal de pessoas do mesmo sexo. na maioria dos países da europa é assim: em portugal está interdita em casais do mesmo sexo, o que significa que nesses casais de dois pais e duas mães só um dos membros é responsável legalmente pela criança.

 

portanto, caras pessoas (do mesmo sexo ou diferente, é indiferente) que escreveram esta nota de abertura, não está em causa na lei da co-adopção 'se por princípio uma criança deve ser educada por um pai e uma mãe'; o que está em causa é gente cruel e preconceituosa e ignorante, como quem escreveu esta nota, querer impedir crianças que vivem com casais do mesmo sexo de gozarem de toda a segurança e protecção jurídica de que gozam as crianças que vivem com casais de sexo diferente, e mentir para fazer crer que se trata de outra coisa qualquer.

 

mentir já não é pecado, por essas bandas? ou acreditam tanto em deus e nos respectivos mandamentos como eu e a única coisa que vos move é meter o nariz na vida dos outros e fazê-los infelizes, como provavelmente vocês são?

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media