Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

PS, Costa e os socráticos

António Vitorino já colocou correctamente a questão: é evidente que há um problema político, para além de criminal, quando um membro de um Governo é indiciado pelo crime de corrupção. Afinal, a ser verdade, trata-se de um dos piores crimes contra a República - o aproveitamento do trabalho e do esforço de todos os contribuintes em benefício de uma pessoa - e isso não pode deixar de se reflectir no juízo que fazemos do partido a que essa pessoa pertence.  Porém, dito isto, fica quase tudo por dizer e é bom que tenhamos ideias claras. Não só para podermos viver bem com as nossas consciências, mas para podermos rechaçar os ataques políticos desmedidos e oportunistas.

 

A tentativa de colar o PS de Costa ao PS de Sócrates, para além da responsabilidade política que a normal institucionalização de um partido permite, é uma estratégia política rasteira e que não resiste a qualquer análise minimamente séria e honesta. Uma coisa é o PS de Costa ter que encontrar uma política que o defina, como, por exemplo Sócrates teve o seu Plano Tecnológico. Uma coisa é o PS de Costa ter que encontrar um discurso que responda ao pedido de resgate do PS de Sócrates como é a luta pela renegociação da dívida. Outra bem diferente é tentar transformar uma batalha ideológica entre o Governo e o PS num salganhada de desinformação e confusão política, destinada a enganar os eleitores, em que se começa com a crítica a Sócrates, se evoca o socratismo para apanhar nesta malha todas as pessoas - sejam sérias e competentes ou não - que trabalharam com Sócrates e acaba-se a tentar condenar Sócrates por antecipação, com isso pretendendo manchar - como no tempo dos crimes de sangue da vindictas privata - todo os que com ele trabalharam, contactaram ou privaram.

 

Sejamos claros: 1. Sócrates não foi ainda condenado por nada; 2. Indícios são isso mesmo: indícios; 3. Mas mesmo que Sócrates venha a ser condenado por alguma coisa será por crimes, não por más políticas; 4. A ideia do contágio político ao PS está por demonstrar e depende mais de Costa do que de Sócrates; 5. O juízo político, esse, os portugueses já o fizeram em 2005 e em 2009, quando Sócrates ganhou as eleições e em 2011, quando Sócrates perdeu as eleições. E fá-lo-ão de novo em 2015 quando Costa ganhar as eleições.

 

O juízo político - e apenas esse - é um juízo sobre o PS e quem o lidera, pois é quem o lidera o responsável pelo programa político. A circunstância de Costa, como líder, contar entre os seus apoiantes com aqueles que um Governo desesperado chama de socráticos demonstra uma realidade muito simples: quando um bom líder mobiliza, o melhor PS aparece. Aconteceu com Sócrates - independentemente do que venha a ser o resultado do inquérito que agora decorre - e acontecerá com Costa, com todas as diferenças que há entre um e outro e com todas as diferenças de liderança que existirão. Essa demarcação existe naturalmente e é tempo de Costa confrontar o discurso do contágio político por aquilo que é: uma mistificação de um Governo que não tem como combater Costa e a alternativa que ele representa às políticas desastrosas dos últimos três anos.

 

O melhor que Costa tem a fazer quanto ao socratismo, que PSD e CDS tanto abocanham, é rapidamente criar o costismo. Chamando os melhores e oferecendo uma alternativa política que exponha a táctica do papão do socratismo como aquilo que é: uma mistura de oportunismo e desespero político.

23 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media