Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

PS, Costa e os socráticos

António Vitorino já colocou correctamente a questão: é evidente que há um problema político, para além de criminal, quando um membro de um Governo é indiciado pelo crime de corrupção. Afinal, a ser verdade, trata-se de um dos piores crimes contra a República - o aproveitamento do trabalho e do esforço de todos os contribuintes em benefício de uma pessoa - e isso não pode deixar de se reflectir no juízo que fazemos do partido a que essa pessoa pertence.  Porém, dito isto, fica quase tudo por dizer e é bom que tenhamos ideias claras. Não só para podermos viver bem com as nossas consciências, mas para podermos rechaçar os ataques políticos desmedidos e oportunistas.

 

A tentativa de colar o PS de Costa ao PS de Sócrates, para além da responsabilidade política que a normal institucionalização de um partido permite, é uma estratégia política rasteira e que não resiste a qualquer análise minimamente séria e honesta. Uma coisa é o PS de Costa ter que encontrar uma política que o defina, como, por exemplo Sócrates teve o seu Plano Tecnológico. Uma coisa é o PS de Costa ter que encontrar um discurso que responda ao pedido de resgate do PS de Sócrates como é a luta pela renegociação da dívida. Outra bem diferente é tentar transformar uma batalha ideológica entre o Governo e o PS num salganhada de desinformação e confusão política, destinada a enganar os eleitores, em que se começa com a crítica a Sócrates, se evoca o socratismo para apanhar nesta malha todas as pessoas - sejam sérias e competentes ou não - que trabalharam com Sócrates e acaba-se a tentar condenar Sócrates por antecipação, com isso pretendendo manchar - como no tempo dos crimes de sangue da vindictas privata - todo os que com ele trabalharam, contactaram ou privaram.

 

Sejamos claros: 1. Sócrates não foi ainda condenado por nada; 2. Indícios são isso mesmo: indícios; 3. Mas mesmo que Sócrates venha a ser condenado por alguma coisa será por crimes, não por más políticas; 4. A ideia do contágio político ao PS está por demonstrar e depende mais de Costa do que de Sócrates; 5. O juízo político, esse, os portugueses já o fizeram em 2005 e em 2009, quando Sócrates ganhou as eleições e em 2011, quando Sócrates perdeu as eleições. E fá-lo-ão de novo em 2015 quando Costa ganhar as eleições.

 

O juízo político - e apenas esse - é um juízo sobre o PS e quem o lidera, pois é quem o lidera o responsável pelo programa político. A circunstância de Costa, como líder, contar entre os seus apoiantes com aqueles que um Governo desesperado chama de socráticos demonstra uma realidade muito simples: quando um bom líder mobiliza, o melhor PS aparece. Aconteceu com Sócrates - independentemente do que venha a ser o resultado do inquérito que agora decorre - e acontecerá com Costa, com todas as diferenças que há entre um e outro e com todas as diferenças de liderança que existirão. Essa demarcação existe naturalmente e é tempo de Costa confrontar o discurso do contágio político por aquilo que é: uma mistificação de um Governo que não tem como combater Costa e a alternativa que ele representa às políticas desastrosas dos últimos três anos.

 

O melhor que Costa tem a fazer quanto ao socratismo, que PSD e CDS tanto abocanham, é rapidamente criar o costismo. Chamando os melhores e oferecendo uma alternativa política que exponha a táctica do papão do socratismo como aquilo que é: uma mistura de oportunismo e desespero político.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media