Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

qirtas

Alguém conhece a origem da palavra "cartaz"? Não vem do latim carta, mas do árabe qirtas ("folha de papel") e designava uma espécie de salvo-conduto de navegação no Índico, que os portugueses encontraram como prática corrente quando lá chegaram e que utilizaram abundantemente ao longo do século XVI. É neste sentido que se fala da "política de cartazes" (de Afonso de Albuquerque, por exemplo), expressão que se presta a equívocos engraçados quando é usada por quem desconhece a especificidade do termo naquele contexto. Mudaram os tempos e "cartaz" passou a significar o papel exposto publicamente, com aviso ou anúncio. Na política, passou a equivalente a imagem, a outdoor. Se há décadas pouco mais tinha que uma sigla partidária e um "vota X", hoje, como todos sabemos, é tudo diferente. Toda a gente percebe o impacto de um bom cartaz ou o impacto negativo de um mau (ou de uma série de maus, como foi o caso do PS nas legislativas). 

Muito bem. Há cartazes e depois há comentadores de cartazes. Ontem houve um que publicou uma crónica no Jornal de Notícias: "os Cartazes de Marisa" de seu título, José Manuel Diogo de seu nome. Quem é o senhor, que nunca tinha tido o prazer de conhecer? Está tudo na sua página na Wikipédia: Aliás, não ter uma página na Wikipédia seria imperdoável para quem se afirma "especialista em informação e comunicação". Mas já lá iremos. E que diz ele? Uma ideia muito simples: que o sucesso eleitoral do Bloco de Esquerda se ficou a dever ao uso das "carinhas larocas" da Mariana Mortágua e da Catarina Martins nos cartazes. Eu cá podia questionar esta lógica do 1+1=2 e perguntar porque é que, assim sendo, Joana Amaral Dias fracassou na sua eleição. E, já agora, interrogar-me sobre o motivo de haver sempre questões de "beleza" ao barulho quando se fala do sucesso de mulheres na política, enquanto que o dos homens parece sempre derivar do seu carisma, da sua estratégia, do seu caráter visionário e das suas capacidades de liderança. A maioria dos eleitores são mulheres, serão elas indiferentes à beleza masculina? Ah espera, não tem nada a ver, certo? Quem não tem cão, caça com gato, e as mulheres lutam com as armas de que dispõem, a tal "beleza" das "carinhas larocas". O BE dá mais um passo nas presidenciais, com o uso da imagem da Marisa Matias, "toda ela forma, toda ela olhar", "olhar e sedução", "juventude e beleza" e com uma mensagem "ainda mais radical e mais sensual" que a de Catarina e Mariana. Mas, conclui, vai falhar.

José Manuel Diogo sabe do que fala. Comunicação, informação e imagem são os seus campos de eleição. Não é por acaso que a sua página na Wikipedia descreve generosamente as suas qualidades, o sucesso dos seus vários livros e outras coisas que deixam qualquer um impressionado, como ter sido "o único autor europeu a participar no XIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual" e a "apresentação oficial" de uma das suas obras ter sido feita por João Soares. E lá está a sua foto. Fosse ele uma mulher e eu diria que teria uma "carinha laroca", mas isso não é coisa que interesse a um homem a sério que escreve sobre espionagem e serviços secretos. Nunca li nenhum livro dele, mas o autor garante que foram um sucesso. Um deles foi até "apresentado no congresso Associação Brasileira de Jornalistas de Investigação Abraji no Rio de Janeiro e distribuído à escala nacional em importantes livrarias do Brasil como é a Livraria Saraiva". Fiquei convencido. Nem era preciso o autor tê-los classificado quase todos com 5 estrelas no Goodreads. Mas comunicação e imagem, presumo, é isto.

Ninguém pode acusar José Manuel Diogo de misoginia ou, no mínimo, de não gostar de mulheres. Parece-me, a mim, que sofre precisamente do oposto. Que gosta tanto delas que as acha mal empregadas na política. "Beleza desperdiçada", conclui ele a propósito do fracasso anunciado da Marisa Matias. Isto apesar de ter adotado um irresistível "registo de “diva” e “vamp” do cinema", como escreve no seu site (sim, que um profissional da comunicação não tem um mísero blog, mas um site) quando fala dos muitos M do Bloco: mulher, marketing, Martins, Mariana, Mortágua, Marisa, Matias. Calculo que se tenha contido em chamá-las de M&M's irresistíveis e saborosas. E se dúvidas houvesse acerca da sua adoração contemplativa pelas mulheres (ou, vá lá, ao seu aspeto físico), elas desfazem-se na sua poesia sobre "beleza": "tudo nelas é magia". 

José Manuel Diogo diz que a estratégia de Marisa Matias vai falhar porque "ser candidata a deputada é uma coisa muito diferente de ser candidata a Presidente da República. Os eleitores não procuram a mesma coisa e não decidem da mesma forma". Deduzo que para fazer exibição pelos corredores e bancadas da AR, mocinhas jeitosas façam jeito, que é sempre bom uma presença feminina. E sendo tantos os deputados, limitam-se a alegrar o ambiente. Mas para presidente da República, calma lá, nem que fosse uma angel da Victoria's Secret. Portanto, por mais qualidades de Marisa que sejam exibidas nos cartazes, não adianta. Ora bolas, e eu, historiador por profissão e hobby, a ver se o qirtas do século XVI continuava a ser um salvo-conduto no século XXI, neste caso, para o sucesso eleitoral. Falhei a 50%, portanto.

Já agora, se alguém achou que comecei este texto com uma coisa que não tinha nada a ver, termino do mesmo modo: no Festival da Canção 1974, os Green Windows concorreram com uma música chamada "Imagens". O single que foi lançado pouco depois tinha uma música interessante na face B. Esta. É mais ou menos o que penso acerca do assunto.

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media