Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

sermão impossível mesmo

há uns anos (os sermões impossíveis acabaram em 2011) recebi, de uma amiga que nunca vi em carne e osso mas nem por isso a desmerecer o epíteto, uma encomenda de um sermão. era sobre 'a infidelidade'. acabei por não o escrever. por vários motivos, mas na verdade só por um: é difícil.

 

essa minha amiga acha que a fidelidade não existe, ou melhor, que não faz sentido. e eu, que acho? se levei este tempo todo para escrever, é porque não devo saber bem. para saber bem o que se acha se calhar é preciso saber do que se trata -- e saber, estas coisas só se sabem quando se passa por elas: ser infiel e serem-nos infiéis. e talvez nem assim, ou talvez isso não chegue. talvez seja preciso escrever sobre o assunto.

 

primeiro, a palavra. é odiosa. quem é que inventou isto? a palavra de tão desgraçada desgraça a ideia. se já tinhamos traição e lealdade, precisavamos da fidelidade e infidelidade para quê? um amigo pode trair outro, ou ser-lhe desleal. são coisas fáceis de perceber: significa trair a confiança, trair um pacto, não estar no lugar certo no momento necessário, virar as costas, fugir, escolher a segurança em vez da coragem, o lucro em vez da palavra, a facilidade em vez do respeito. tantos exemplos, e sempre uma vergonha (para quem for capaz de a ter, necessariamente -- e os traidores e os desleais é raro saberem o que tal seja).

 

mas para as relações chamadas conjugais (outra desgraça de termo) inventámos esta da fidelidade. a pessoa diz 'fidelidade' e já está a bocejar. santo deus, ser fiel é uma coisa tão. cheira a sopa de legumes, a pantufas, a mantas, a radiador. não é uma noção com boa imagem no mercado -- veja-se como os olhos brilham a toda a gente com as histórias do hollande, por exemplo. risinhos, etc: o tipo, hã? com aquela carinha de parvo, hã? hã? já quanto à valérie, é 'coitada'. um coitada assim para o desprezivo, para o gozão. é fascinante como num caso destes está toda a gente embevecida com o tipo que (supostamente, sabemos lá nós) enganou e tudo enjoado com a tipa que (supostamente) foi enganada. se se trai um amigo, é-se um facínora desprezível; se se trai um namorado, um marido, uma mulher, alguém com quem se tinha uma relação supostamente exclusiva, é-se praticamente herói/heroína. porquê? é assim tão difícil trair? é preciso ter assim tantas qualidades?

 

ninguém diz por exemplo de hollande que não pode ser uma pessoa de confiança se traiu a confiança da namorada/mulher (que, by the way, alcandorou a esse extraordinário e monárquico título de 1ª dama, fazendo da vida privada vida de estado, e não porque mais do que a sua vontade a isso o obrigasse). se se contasse que tinha traído a mãe ou o pai, ou um irmão ou um filho, toda a gente o declararia um biltre; a mulher? eh pá, são coisas, a gente sabe como essas coisas são, e tal. e nem interessa que no caso a pessoa em questão, eleita para governar, tenha decidido que governava em casal, assumindo pois para o país o compromisso de ter aquela outra pessoa ao lado com um estatuto oficial de partenaire, escolhendo assim ter uma vida privada pública e uma vida privada privada; ninguém parece ligar a essas minudências: o gajo é uma ganda machão e coiso, e quem não gostaria, quem não faria o mesmo, oh lá lá, se pudesse.

 

peguemos nisso: quem não faria se pudesse. mas quem não pode? esta ideia de que há quem possa e quem não possa, quem disponha e quem não. haverá pessoas para quem surgem mais ofertas (chamemos-lhes assim)? sem dúvida. todos nós sabemos que assim é. mas isso quer dizer o quê, que têm de 'aproveitar'? 

 

não vou perder tempo a debater a forma como as 'infidelidades' e 'fidelidades' masculina e feminina são valorizadas de forma diferente; não tenho paciência para entrar por aí, cansa-me. e para o que me interessa neste post é pouco relevante -- e vai sendo menos naquilo que à cultura pop diz respeito. interessante porém (o que se relaciona com a questão masculino-feminino) é constatar que a ideia de infidelidade está relacionada com a de poder -- não poder político ou económico, embora ajude, mas de ter poder na relação em causa -- e a de fidelidade com falta de dele. e mais interessante ainda constatar (daaah) que só se é infiel no contexto de uma relação, e supostamente exclusiva: pode-se ter sexo à maluca com toda a gente que aparece, mas ser infiel só sucede quando se está numa relação em que isso é suposto não suceder, e se é suposto não suceder é porque se estabeleceu que assim não seria. e chegámos ao busílis: que leva alguém a, se se comprometeu a não fazer uma coisa e, muito importante, nesse compromisso comprometeu o outro, fazê-la mesmo assim? 

 

repetirá a minha amiga: a fidelidade não faz sentido. muito bem: mas se não faz sentido, e se o infiel acha isso, porque é que se comprometeu? é que só é infiel se houve compromisso, e se houve compromisso foi porque quis comprometer-se (afasto aqui a possibilidade de ter havido armas apontadas à cabeça). philip roth tem uma passagem fabulosa em everyman sobre isso, quando dá voz a phoebe, a segunda mulher do protagonista: sobre o que esse compromisso atraiçoado rouba ao outro, de como essa demonstração de poder, de domínio e de superioridade que se objectifica no engano, na mentira, na traição não assumida (porque pode haver traições assumidas), retira ao outro a liberdade de agir com conhecimento -- basicamente, de ser livre.

 

louva-se no infiel, na ideia de infidelidade, uma noção de liberdade radical, de transgressão admirável, quando na verdade ser infiel é o contrário disso: arrogar-se o direito de fazer aquilo que se furta ao outro. longe de ter a ver com transgredir, é conformar-se com um modelo convencional de relação para, pela calada, o desrespeitar. 

 

onde não há compromisso de exclusividade (mútuo ou não) não pode existir infidelidade. se numa relação dita amorosa ou sexual ou o que seja a que chamamos 'uma relação' (há quem prefira o cognome 'sentimental') se estatui que cada um fará o que entender quando entender com quem entender não há infidelidade. mas isso, claro, implica quid pro quo. igualdade. que é outra coisa que a noção de infidelidade nega, como tão bem a phoebe de roth explica: o infiel 'poupa' ao objecto da sua traição o conhecimento da mesma porque se coloca no lugar de quem decide o que é melhor para ele (é a velha conversa de 'o que não sabes não te magoa'). sendo que, naturalmente, o que o infiel decide é o que é melhor para si: não ser confrontado com a sua falta a um compromisso e, sobretudo, manter a relação que atraiçoou, para os efeitos que lhe convêm -- segurança, afinal. anote-se isto: um infiel é infiel porque não quer perder a segurança que a relação que escamoteia lhe dá. tudo ao contrário, hã?

 

portanto, amiguinhos: infidelidade pode ser muita coisa, mas não é decerto sinónimo de trangressão ou libertarianismo (isto diz-se, ó hitchens?) -- talvez no século xviii, vá. é mais uma espécie de canalhice chico esperta de trazer - literalmente - por casa.

 

(olha, parece que afinal tinha mesmo umas ideias entupidas sobre isto.)

 

outra coisa, e era aí, creio, que a minha amiga queria chegar, é dizer que uma relação de exclusividade é uma coisa que não faz sentido, uma invenção cultural e religiosa associada aos mitos do amor romântico infinito e do casamento indissolúvel. mas quanto a isso creio que o que não faz mesmo sentido é determinar absolutos. cada um, ou neste caso cada dois (ou três ou quatro, etc) decidirão o que querem fazer, como querem fazer, o que lhes faz ou não sentido, e ninguém tem nem deve ter nada a ver com isso.   

  

 

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media