Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Sobre as alterações à lei da IVG, pelo João Gaspar

Sobre as alterações à lei da IVG (Lei nº 16/2007) já muita gente escreveu e estará quase tudo dito. Ainda assim, para memória futura, aqui fica a minha perspectiva do que se passou na Assembleia da República portuguesa aos 22 dias do mês de julho de 2015.

 

1. À boleia de uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos - legítima mas indigna -, a maioria PSD+CDS/PP, ao arrepio dos mais elementares princípios de respeito pela democracia e pela liberdade, redigiu e votou cobardemente na última - última - sessão plenária da legislatura alterações a uma lei que:
a) funciona;
b) reduziu o número e aumentou a qualidade das interrupções voluntárias de gravidez.
c) reduziu drasticamente o número de mortes por complicações resultantes ou associadas ao aborto;
d) resolveu um problema social e de saúde pública;
e) tem uma legitimidade reforçada pelo sufrágio universal a que foi sujeita em referendo.

 

2. As alterações propostas e aprovadas:
a) violam liberdades e direitos humanos fundamentais - obrigar a ter uma consulta de acompanhamento é coagir e restringir o direito à "opção da mulher".
b) são contrárias ao código deontológico da ordem dos psicólogos - a lei obrigaria um psicólogo a fazer aconselhamento a alguém que o rejeita.
c) são contrárias ao código deontológico da ordem dos médicos - no limite, seria possível a um médico objetor de consciência realizar um aborto. Ora, ao contrário do que a maioria quer agora fazer crer, a objeção de consciência (sempre legítima, claro) só é válida se não tiver um carácter reservado e deve, como é óbvio, ser sempre comunicada ao doente. Um objetor de consciência só o é se o declarar publicamente.
d) provavelmente serão inconstitucionais, de hipotética regulamentação impossível, revogadas no início da próxima legislatura - logo, nunca entrarão em vigor.

 

3. A proposta destas alterações, sob uma capa de respeito pela vida, nasce daquilo que de mais obscuro e sujo pode existir num ser humano: a vingança e a mesquinhez cruel, a total ausência de respeito pela opção do outro (leia-se: da outra), o mais profundo desprezo pela liberdade individual.

 

4. Os deputados e deputadas eleitos pelo PSD e pelo CDS-PP na Assembleia da República portuguesa patrocinaram com o seu total apoio e voto (nem uma abstençãozinha para amostra, nem uma) esta mesquinhez vingativa sobre as mulheres, acrescidos de uma camada de cobardia política assinalável ao longo de todo o processo - é também contra isto que é urgente votar no próximo dia 4 de outubro.

 

Off-topic - um tremendo anacronismo:
nas galerias do parlamento não é permitido o uso de telemóvel, tablet ou pc. Para além do ridículo que é não poder acompanhar o guião das votações a que se está assistir a não ser que o tenhamos em papel (e neste dia o guião tinha quase 80 páginas), não é possível comentar ou debater online nada sobre a atividade legislativa se estivermos no parlamento. Ora, no debate online, se há coisa importante é precismente o tempo. Ou seja, assistimos ao debate ao vivo mas quando chegamos à internet já ele está morto. Ou moribundo, vá.

17 comentários

Comentar post

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media