Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

Dei verbum: a exegese da suspeita

Foi com bastante surpresa que li mais uma exegese do discurso presidencial, desta feita debitada por Januário Torgal, o bispo das Forças Armadas. O objectivo do exegeta terá sido certamente o de esclarecer os passos de maior dificuldade de interpretação da recente alocução do seu comandante supremo. Pelo menos a mim, tal como à Joana, a hermeneutica sacra deixou-me ainda mais baralhada, quiçá por me escapar a sua dimensão teológica, e agradecia ajuda na interpretação deste texto interpretativo. Alguma alminha caridosa me explica o que cargas de água quer dizer a prosa do ordinário castrense, em particular os parágrafos que reproduzo, que me parecem totalmente contraditórios (embora no espírito da coisa "exegetada")?

 

As dúvidas do Presidente e o Exterminador Implacável

Ainda mal refeita da vergonha que senti ontem, eis se não quando  abro as páginas virtuais do Público e deparo com um editorial tão nonsense (e info-excluído) quanto as declarações à comunicação social do presidente supostamente de todos os portugueses.  Realço a parte que me surpreende, pela total tolice:

 

«E a seguir acrescentou que essa publicação desse e-mail privado lhe suscitou a seguinte dúvida: 'Será possível alguém do exterior entrar no meu computador e conhecer os meus e-mails? Estará a informação confidencial contida nos computadores da Presidência da República suficientemente protegida?'»

 

Presumo que o presidente, que não lê jornais e apenas ontem consultou «especialistas» sobre o tema, não saiba que ninguém está livre de ataques de hackers, nem mesmo a Casa Branca ou o Pentágono.

 

O editorial do Público

Um dos leitores do Público já resumiu, em comentário que transcrevo, o mui esperado editorial de José Manuel Fernandes sobre o não caso das escutas, ou antes, sobre a não notícia plantada por Fernando Lima, aparentemente a mando do presidente - com a clara intenção de prejudicar o PS nas eleições de domingo:

 

«Ao contrário do que JMF pretende fazer crer, Fernando Lima (FL) não é nenhum garganta funda. Que o garganta funda era - sabemo-lo hoje - Mark Felt, um dissidente da liderança do FBI. Daí a relevância das informações que trouxe a público. Ora, FL não mantinha (nem mantém) nenhuma dissidência com Cavaco. Mais, apresentou-se ao Público em nome de Cavaco. Foi ao Público pedir um frete para o PR. E o Público fez o Frete. O DN fez mto bem públicar o mail. O mail não revela nenhuma fonte de nenhuma notícia. Porque não existe nenhuma notícia. Não existe nenhuma investigação do Público (a investigação como se percebe é o próprio mail para o jornalista Tolentino). Existe simplesmente... um Frete. E a notícia é - essa sim! - a de que o Público (o meu diário de sempre) faz fretes ao PR. JMF é desonesto e falacioso. Toma-nos a todos por parvos. Provavelmente por termos andado estes anos todos a comprar o jornal que dirige. Provavelmente, tem razão.»

  

Para além do mais, o editorial é assim um bocadinho para o pífio, como as iniciativas que parece esperar do presidente que devia de ser de todos os portugueses:

 

«Por isso, das duas, uma: ou a seguir a 27 de Setembro fundamenta as suas suspeitas, e age em conformidade, ou se se limitar a iniciativas pífias terá enfraquecido a sua autoridade como Chefe de Estado, porventura de forma irremediável. Sendo que este processo não se resolve com uma simples queixa à Procuradoria-Geral da República ou o rastreamento do Palácio de Belém para descobrir eventuais aparelhos de escuta. E ninguém perdoará se se perceber que as suspeitas ou não existiam, ou não tinham fundamento, ou eram simplesmente paranóicas

Suspeito que o presidente se sente asfixiado

Numa atabalhoada, desesperada e pouco séria estratégia de contenção de danos, há quem insista em tomar-nos por parvos tentando manter viva a suspeita das escutas ao presidente. Pedro Picoito, por exemplo, diz que Cavaconão desmentiu as suspeitas que Fernando Lima fez chegar ao Público. Não percebo. Se Cavaco não desmentiu as suspeitas, porque é que despediu Fernando Lima? E porque é que despediu depois de dizer que estavamos perante uma questão de segurança sobre a qual falaria depois das eleições?E que história era aquela da ingenuidade — a de Cavaco e a da jornalista que lhe fazia perguntas? Tenham pudor. Quem defende a tese de que o presidente ainda irá falar sobre as questões de segurança, esquece-se de uma coisa: o presidente já falou; falou quando demitiu Fernando Lima. É verdade que falou mal, que não disse tudo e que ainda deve explicações aos portugueses. Mas, ao contrário dos que anseiam por mais uma ajudinha para a tese da asfixia democrática, aposto que estas explcações não terão nada a ver com questões de segurança. É preciso dizê-lo: não há qualquer caso de escutas à presidência; estamos, apenas e só, perante uma conspiração contra o PS.

Quem a orquestrou? Cabe a cada um julgar por si. Os factos conhecidos não implicam necessariamente Cavaco Silva. Até agora, sabemos apenas que envolvem o director do Jornal Público, Luciano Alvarez e Fernando Lima. Mas os factos não dizem tudo. Neste caso, como em todos, é inevitável interpretar o sucedido. E aqui, das duas uma: ou Cavaco foi incompetente e não soube gerir uma cabala e uma traição do seu assessor, ou estamos perante uma conspiração contra o PS liderada pelo Presidente da República. A primeira é grave, a segunda é gravíssima. Em qualquer dos casos, a actuação do presidente prejudicou objectivamente o PS, violando aquela que é a sua principal função: assegurar o regular funcionamento das instituições.

Obviamente, explique-se!

Embora esteja demasiado aborrecido para escrever um post sobre o assunto do dia e apesar de todas as razões que me ocorrem para a escolha do timing da decisão me deixarem ainda mais zangado, não posso deixar de dizer umas palavras, em forma de exigência.

 

O que eu exijo - de exigir - é que Cavaco se explique, que diga de uma vez (já o devia ter feito) se sabia ou não sabia. E se não sabia qual a desculpa para não saber. Não pode é insinuar à sexta (com aquela da falta de ingenuidade - dele e da jornalista) o que insinuou e despedir à segunda. O que é que aconteceu nestes três dias? Que Cavaco, no seu interesse (coisa que não me interessa), não podia tomar esta atitude depois das eleições é óbvio - seria crucificado -, e até admito que não tivesse elementos para a tomar em Agosto. Eu quero apenas conhecer a razão de Cavaco ter despedido hoje o assessor de 25 anos. Só isso. E, como já perdeu o argumento de não querer imiscuir-se na campanha, terá que o fazer amanhã. É que um Presidente - e este em que votei - não serve para fazer o controlo dos danos do seu umbigo, mas dos do país.

 

Aguardo.

Ele acha, nós achamos, todos devem achar

Imperdível a crónica de Ferreira Fernandes no Diário de Notícias de hoje, a propósito do nacional-achismo, certamente o responsável para que, em Agosto, o Público decidisse transformar suspeições com "explicações grotescas"  (provedor do Público dixit) em manchetes sensacionalistas. Diz o cronista no seu «Ele acha, logo existe»:

 

«Não venham cá com os vossos factos que eu tenho as minhas suspeitas - eis Portugal cada vez mais assim. Já tínhamos os inspectores da Judiciária que falhavam uma investigação sobre factos e acabavam a vender livros sobre as suas suposições. Isso era a prática corrente - as vitórias morais no futebol eram a expressão mais popular dessa tendência. Há semanas, uma líder partidária, Manuela Ferreira Leite, decidiu dar base programática à coisa: "Eu não quero saber se há escutas ou não, eu não quero saber se há retaliações ou não, o que é grave é que as pessoas acham que há." O nacional-achismo passou a doutrina oficial.»

 

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media