Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

jugular

O elogio da loucura

Disclaimer: este vídeo é uma sátira.

Hoje, dia em que se assinala mais um aniversário do atentado insane que transformou o Mundo, as atenções estão focadas num pequeno grupo de fanáticos, não muito diferente, no pensamento se não nas acções, do pequeno grupo que há 9 anos organizou e levou a cabo os ataques terroristas.

 

O principal protagonista destoutro grupo é Terry Jones, pastor do Dove World Outreach Center, em Gainesville, Flórida, que lançou há anos uma cruzada contra o islamismo, transcrita no livro Islam Is of the Devil ("Islão é do Demónio", em tradução livre mas aceite por mais loucos como Jones). Jones ganhou fama mundial quando divulgou na internet a sua proposta de transformar o dia de hoje no Dia Internacional de Queima do Corão. Mas Jones é um fanático que se limitou a cavalgar a onda das teorias da conspiração que surgiram logo que foi conhecida a intenção de construção de um centro cultural islâmico em  Manhattan, a alguns blocos de distância do Ground Zero. Os habituais teóricos de conspirações não perderam tempo a efabular sobre uma congeminação islâmica global de erigir "uma mesquita da vitória" no Ground Zero; Newt Gingrich foi ao ponto de descrever o projecto como parte de um plano maquievélico que teria como objectivo trazer os EUA para a tutela da lei islâmica.

 

Um prémio que não é bem um prémio

O prémio Nobel da paz atribuído a Obama não é bem um prémio. Normalmente, um prémio é o reconhecimento por actos valorosos praticados. Este caso é bem diferente. Trata-se de uma espécie de carta de recomendação para o Mundo. Hoje, como ontem, a Academia deixou-me de boca aberta. Ontem fiquei próximo do indiferente. Hoje estou deveras satisfeito.

A laicidade é um assunto de mulheres

Marieme Helie Lucas é uma socióloga argelina que fundou a rede internacional de solidariedade Women Living Under Muslim LawsSecularism Is A Women's Issue. Marieme é igualmente a autora de uma crítica que considero indispensável ao discurso de Obama no Cairo.

 

Espero que o João não me considere uma das cínicas do costume, mas o artigo «Where are women and secularists in Obama's speech in Cairo?» toca nos pontos que me maçaram imenso mal ouvi o discurso de Obama, ex-libris de uma linha demasiado familiar para mim, aquela  seguida pelo que Marieme, uma mulher de esquerda, chama a «esquerda cobarde». A mesma esquerda que fecha os olhos, em nome do multiculturalismo, a atrocidades cometidas em nome do direito à «diferença», na realidade atrocidades em nome da religião, como sejam, por exemplo, a arbitragem religiosa de questões familiares - que apenas leva à privatização de problemas sociais. O caso da juiza alemã que negou o divórcio a uma alemã de origem marroquina, vítima de violência doméstica, porque a sua suposta identidade cultural permite que o homem tenha «direito de castigo corporal sobre a sua esposa», não é uma caricatura é apenas um exemplo que explica, entre outras coisas, a ascensão da extrema-direita na Europa.

 

O fundamentalismo religioso, seja ele islâmico, cristão, hindu ou budista,  é politicamente indissociável da extrema-direita mas quem vemos desculpar/menorizar  esse mesmo fundamentalismo - se de outro flavour que não cristão, em particular islâmico -, é na maior parte das vezes a esquerda, que cai no mesmo erro de Obama neste discurso, um erro assente no que Amartya Sen denomina «singular affiliation», uma identidade pessoal definidade por aqueloutra religiosa em que a maioria dos indivíduos não se reconhece. Amartya Sen, numa conferência memorável que pode ser visualizada na íntegra no YouTube, denuncia esse erro como «Identity and Violence: The Violence of Illusion». A conferência partilha o título com um livro que nos explica o que devia ser óbvio para todos: a nossa identidade é, ou devia ser, um somatório de escolhas pessoais e não um rótulo imposto por outrem.

 

Duplicidade intelectual

Em Janeiro do ano passado, alguns docentes e discentes da Universidade La Sapienza em Roma protestaram a presença de Bento XVI  na abertura do ano académico. Os estudantes de Física foram  particularmente veementes no protesto e planearam uma série de eventos para assinalar a coisa que incluíam um concerto rock (Bento XVI considera a música rock «expressão de paixões elementares que, nos grandes concertos musicais, assumiu carácter de culto, ou melhor de contra-culto que se opõe ao culto cristão»), um desfile gay contra a homofobia do Papa e uma Lectio Magistralis «em defesa da ciência contra o obscurantismo católico».

 

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

blogs

media