Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

Um candidato muito estimulante

É a primeira entrevista de Santana Lopes sobre presidenciais desde a última entrevista de Santana Lopes sobre presidenciais. Santana preferiu gravar esta última entrevista ao Expresso no seu escritório de advogado. Ficámos assim a conhecer um piano de cauda, com o qual ele se entretém enquanto espera pelos clientes e pelas eleições presidenciais, e uma prateleira branca, que funciona como uma espécie de mausoléu da social-democracia à portuguesa, com ephemera de antigas glórias do PPD/PSD, como Sá Carneiro e Durão Barroso.

Sim, tudo indica que Barroso é mesmo passado, pelo menos no que às presidenciais diz respeito. É certo, como reconhece Santana, que «em política, we never know it», ou como diriam os portugueses, em política nunca se sabe. E quando se trata de Durão Barroso, ainda menos: «dele já nenhuma proeza me espanta». Se um dia destes o virmos a treinar o Real Madrid, não se admirem. O problema é que Barroso fugiu para Bruxelas, onde, segundo PSL, «não quis ser acusado de privilegiar Portugal e acabou por deixar a imagem de ter sido absolutamente independente, para usar uma palavra simpática». Marcelo também merece palavras simpáticas, mas infelizmente autoexcluiu-se da corrida: «tem a mania que Guterres é imbatível».

O perfil do próximo candidato presidencial do centro-direita está escrito nas estrelas: «Logo se vê no ano que vem quem é a pessoa mais indicada para fazer bem a Portugal. A regra deve ser essa». Ora, nem Barroso nem Marcelo são as pessoas mais indicadas para «fazer bem» a quem quer que seja. Fazer o bem sem olhar a quem é mais coisa de presidente da Santa Casa da Misericórdia. Então e as sondagens desfavoráveis? «Mário Soares ganhou umas eleições em que partiu nas sondagens com 8%». Claro que a história eleitoral está cheia de candidatos que partiram nas sondagens com 8% e chegaram às urnas com 8%, mas Santana também é especial.

De resto, para o nosso entrevistado, o próximo Presidente da República «deve ajudar sempre o Governo do país». O seu Governo, por exemplo, não foi ajudado pelo Presidente da altura, quando ainda estava na incubadora, e se as coisas tivessem sido diferentes, «acho que o país teria poupado tempo e dinheiro». Neste sentido, Santana defende a tese de que «os países mais desenvolvidos são aqueles em que o Presidente não discute em público com o chefe do Governo», países tão desenvolvidos como o Portugal no tempo do Estado Novo em que o Presidente também não discutia em público com o chefe do Governo.

Santana acha que tem uma «capacidade razoável de arrumar os assuntos em prateleiras» e, a avaliar pela prateleira do escritório, tem mesmo. Arruma Barroso, arruma Marcelo e arruma o seu próprio passado enquanto primeiro-ministro, através de uma «exigente análise desdramatizada do que se passou». Ele é «alguém que amadureceu». «Hoje sabe-se que procurei afastar opções que eram inadequadas com as minhas responsabilidades públicas». (Santana parece estar convencido que foi um lenço na cabeça numa festa da Caras que causou danos à sua imagem, e não tanto o que fez enquanto presidente da câmara ou primeiro-ministro.)

Santana Lopes até já se reconciliou com Jorge Sampaio: «ainda na semana passada encontrei o dr. Sampaio duas vezes e já sorrimos os dois». Realmente, só mesmo o dr. Santana para pôr o dr. Sampaio a sorrir. E o próximo alvo desta política de reconciliação nacional de PSL é quase de certeza José Sócrates. Cavaco pode ter sido «um grande primeiro-ministro no enriquecimento em infraestruturas mas Sócrates teve visão», coisa que realmente Cavaco nunca teve.

Já Passos Coelho não é nenhum «insensível», como por vezes se diz. «Até pela história de vida», diz Santana. Quem é que com uma história de vida toda ela passada no parlamento, na Tecnoforma e nas empresas de Ângelo Correia pode ter falta de «sensibilidade»? E PSL, já falou com ele sobre presidenciais? «Matéria reservada». E com Portas? «Matéria reservada». Ou seja: já falou. Não fala aliás de outra coisa, e até diz que «Guterres seria um candidato muito estimulante para o centro-direita». Mais: ao contrário do que teme Marcelo, para Santana «Guterres não é imbatível». Imbatível só mesmo o próprio Pedro Santana Lopes. Um candidato muito estimulante. Tanto para o centro-direita como especialmente para o centro-esquerda.           

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media