Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jugular

valete e a 'pide feminista': uma fábula sobre a liberdade de expressão

reflecti bastante antes de escrever isto. cheguei à conclusão de que é um imperativo ético e até um dever cívico fazê-lo.

no sábado 21 de setembro, às 00.37, recebi uma mensagem do rapper valete, a quem entrevistara para o dn na terça-feira (publicando artigo na quarta) sobre a sua música mais recente.

nessa mensagem, valete aconselhava-me a 'conter-me' no twitter onde, acusava, eu estava 'numa intifada anti-valete'. e terminava dizendo: 'garanto-te que não queres comprar esta guerra.'

respondi-lhe dizendo que nada do que escrevera no twitter era novo em relação ao que lhe dissera pessoalmente: durante a conversa que tivemos dei-lhe a minha opinião sobre a música e o vídeo, tal como depois da publicação ele me disse que não tinha gostado do artigo. toda a conversa até essa mensagem na madrugada de sábado tinha sido cordata, entre duas pessoas com opiniões diferentes mas que falam civilizadamente uma com a outra – o normal, portanto. tinha-lhe até falado de um filme de kurosawa, rashômon, em que um homicídio é narrado das perspectivas de todos os intervenientes e testemunhas, porque me pareceu que algo do tipo podia ser uma saída para o sarilho em que ele se tinha metido.

porém no sábado tudo mudou. depois de lhe responder à primeira mensagem da forma descrita, valete retorquiu: 'estás avisada, fernanda, não te vou avisar segunda vez.' e como lhe tivesse respondido ser melhor não me avisar, e que os únicos avisos do género que recebera na vida vieram de pessoas com as quais supunha que ele não se quereria misturar, deixou ainda mais claro o seu intuito: 'se vacilares vou-te provar bem rápido que não ameaço em vão. assunto encerrado.'

não voltei a falar com valete, que ainda me enviou, na manhã de sábado, um link de um post no facebook em que alguém que se identifica como mulher acusava as mulheres como eu, que consideram que a música e o vídeo de valete reiteram estereótipos de género e o discurso da misoginia (que aliás se encontra noutras criações dele, como não te adaptes) e banalizam a violência sobre as mulheres, de serem 'pesudofeministas'. e fiquei a pensar no que deveria fazer.

entretanto a discussão pública continuou. mamadou ba, um dos líderes do sos racismo, publicou um texto a condenar a música e o vídeo de valete e também as suas justificações: 'para se defender, valete diz inacreditavelmente: "decretaram agora que não se pode fazer filmes com violência e que não se pode fazer arte sem mensagem. como fiz em toda a minha vida contei uma boa história, consegui levar para um registo cinematográfico e chegámos a este resultado. é uma boa história e bom cinema. nada mais.”

"fazer arte sem mensagem" sobre a violência doméstica é, sim, inaceitável. não se trata de decreto nenhum, nem de juízo de uma minoria que não percebe do processo criativo do rap. é uma posição de princípio que vincula a criação artística à responsabilidade cidadã e ao compromisso político. e, parafraseando aimé césaire, respondo-lhe que o que se espera de um artista rapper é que a sua boca seja a boca dos infortúnios que não têm boca, a sua voz, a liberdade daqueles que estão afundados na masmorra do desespero.”'

nos comentários ao post de mamadou, outras pessoas, uma delas ligada ao meio musical negro -- varela kay, membro da máfia sulleana, o mais antigo colectivo de rap em portugal -- corroboram a opinião de mamadou: 'a "liberdade de expressão" não pode continuar a ser a justificação para tudo o que é injustificável e a "liberdade artística" pode ser um perigoso cavalo de tróia. o storytelling é prática recorrente no rap, estilo musical que tem como fundamento meter o dedo em feridas sociais/existenciais/universais, mas este videoclip é uma irresponsável exteriorização de traumas masculinos e, independentemente da intenção, o efeito é perigoso e quase que uma legitimação do direito à "honra patriarcal". (...) enquanto músico e autor, muitas vezes também me apetece fazer/escrever o que me vai na real gana, mas não o faço, porque as minhas "liberdades" podem influenciar negativamente quem me segue, consequentemente, influenciar negativamente a sociedade em que estou inserido. é essa a responsabilidade que advém de uma posição (mais ou menos relevante) no meio artístico, e numa cultura urbana como o hip-hop a responsabilidade é acrescida, pois o rap, além de ser na sua génese uma arma de consciencialização e reeducação, é o estilo musical mais influente dos séc. xx e xxi e cada vez mais é consumido por adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à inteligência (cada vez mais) e perigosamente influenciáveis. assim sendo, o rigor da interpretação não pode ser tão violentamente deixado ao acaso. não sei se há alguma "mensagem" ou objectivo subentendido na música, mas num país com um dos índices mais elevados de mortalidade em violência doméstica da europa, uma música destas não pode vir para a rua sem referenciar inequivocamente a intenção, caso contrário, é só um veículo para a normalização de um problema (e a antecâmara para futuros crimes).'

a partir daqui tornar-se-ia mais difícil manter o discurso, lançado por valete e assumido por muita gente, de que as críticas que lhe fazem se devem a “preconceito e desconhecimento em relação ao hip hop” e vêm de “feministas de classe média” – só faltou dizer que são brancas e racistas.

mas o debate foi torpedeado pelas acções de valete.

depois da ameaça que me dirigiu na tentativa de me calar – o valete que reivindica toda a liberdade de expressão na sua obra não consegue lidar com a minha liberdade de expressão se usada para criticar essa obra -- tive notícia de outra, que está a ser partilhada no instagram, fb e twitter.

nessa outra, dirigida a um homem, alguém que aparentemente é valete, através da sua conta de instagram, ameaça e especifica o que a ameaça implica: 'tás avisado. vou-te dar 2 cabeçadas pa aprenderes a não ser espertinho. que a minha mãe morra se eu não te deixar ensanguentado.' foi também enviada uma mensagem, da mesma conta, para a mulher do homem ameaçado: 'só para avisar que o teu marido foi desrespeitoso em relação a mim. ainda esta semana vou ter com ele e vou-lhe dar nos cornos. só para ele aprender que isto não é merda de putos a brincar aos telemóveis.' o recipiente da ameaça, com quem falei, disse-me que está a ponderar apresentar queixa. e viu-se obrigado a mudar o nome da sua conta no instagram, cadeá-la e distorcer a foto que o identificava.

o autor de uma música e de um vídeo que apresentam a violência homicida como reacção a 'desrespeito' e 'desonra' e que nega que eles possam ser interpretados como apologia ou banalização dessa violência, reputando de 'patética' e 'rebuscada' tal interpretação, demonstra afinal que a sua reacção ao que considera um 'desrespeito' ou simples contrariedade é precisamente a violência (talvez aqui seja preciso explicar que a ameaça é em si violência e é como tal que configura crime no código penal).

se a ideia de valete ao ameaçar-me é deixar-me 'toda ensanguentada', se tem outro plano ou está simplesmente a tentar atemorizar-me e não tenciona ir mais longe, não sei. não sei como integrar esta atitude na pessoa com quem estive horas a falar de forma cordata e com quem até tinha simpatizado.

mas sei que não posso admitir que alguém com esta dimensão pública, alguém que é visto como um role model por muitos jovens e menos jovens, que passa por um 'rapper consciente' e com 'preocupações sociais' e até por um 'intelectual', ache que pode tentar reduzir pessoas ao silêncio com ameaças de mafioso enquanto faz de conta que é um grande defensor da liberdade de expressão e que os 'censores', ou 'pides' -- usou a expressão 'pide feminista' -- são os que se atrevem a criticá-lo. 

não o denunciar seria tornar-me cúmplice desta fraude.

é certo que valete não é o primeiro a ter esta ideia equivocada e perigosa da liberdade de expressão, que passa por se arrogar poder dizer e fazer tudo mas negar aos outros a liberdade de crítica, taxando-a de censura. mas é com ele que a falácia da liberdade de expressão melhor se desmascara: é a falácia do opressor, que se arroga o direito a tudo, até à violência, para fazer imperar o seu discurso. 

se calhar é de lhe agradecer ter tornado isto tão claro.

13 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

Arquivo

Isabel Moreira

Ana Vidigal
Irene Pimentel
Miguel Vale de Almeida

Rogério da Costa Pereira

Rui Herbon


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Fazem me rir

    So em Portugal para condenarem um artista por uma ...

  • Anónimo

    Gostava que parasses de ter opinião pública porque...

  • Anónimo

    Inadmissível a mensagem do vídeo. Retrocedeu na hi...

  • Anónimo

    "adolescentes e pré-adolescentes pouco dados à int...

  • Anónimo

    apos moderaçao do meu comentario reitero

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

blogs

media